Em artigo publicado hoje no jornal britânico “Financial Times”, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirma que, após deixar a Presidência da República, pretende desenvolver ações que ajudem países da América Latina, do Caribe e a África.

“Quanto a mim, quando deixar a Presidência, quero continuar contribuindo para melhorar a qualidade de vida das pessoas. Em nível internacional, pretendo concentrar minha atenção em iniciativas que beneficiem países da América Latina e do Caribe e o continente africano”, contou Lula.

No artigo, intitulado “O destino de uma nação”, Lula classificou o Brasil como “uma ilha de prosperidade” e disse que o país deve contribuir para livrar o mundo da fome, da pobreza e da injustiça social.

“O Brasil tem muita experiência que pode ser dividida. Não podemos ser uma ilha de prosperidade cercada por um mar de pobreza e injustiça social”, disse ele. “Quero continuar os esforços que meu governo fez para criar um mundo multilateral e multipolar que seja livre da fome e da pobreza”.

Apesar de classificar o país como “próspero”, o presidente reconheceu que há, ainda, muita pobreza do Brasil.

“Os sucessos que o meu governo alcançou não podem obscurecer os enormes desafios que estão à frente. Ainda temos uma quantidade significativa de pobreza em nosso país”.

Ao comentar a forma de lidar com a questão da pobreza, o presidente abordou também outros problemas, como sistema educacional e o combate às drogas.

“A criação de oportunidades para os jovens, em particular, deve permanecer como um objetivo importante, já que é central para o futuro que estamos contribuindo para o Brasil. Para fazer isso, devemos tratar de questões como a forma de melhorar o nosso sistema educacional, encontrar maneiras de lidar com as drogas e a violência e oferecer aos jovens escolhas reais em termos de trabalho, lazer e cultura”.

(Folha Online)