Segundo especialista, alvos seriam as delegações dinamarquesa e holandesa, além da partida entre Inglaterra x Estados Unidos

A preocupação com atentados terroristas durante o período de disputa da Copa do Mundo voltou a ganhar força no último domingo. O site sul-africano do Mail & Guardian destaca reportagem divulgada pelo jornal local Sunday Times. Segundo as fontes do veículo, um integrante da rede terrorista Al-Qaeda, Azzam Al-Qahtani, preso recentemente no Iraque, afirmou que atentados contra as delegações da Dinamarca e da Holanda estavam sendo planejadas.

O fato trouxe novos debates sobre a capacidade do comitê que faz a segurança dos jogos – além dos órgãos ligados à Fifa, agências de segurança internacional, como a Interpol – em evitar ataques dessa natureza.

O Sunday Times disse que Ronald Sandee, diretor da Nefa – órgão que investiga possíveis ações terroristas – reportou ao congresso dos Estados Unidos sobre possíveis ameaças terroristas durante o Mundial, analisando as chances de um ataque em 80%.

O diretor disse ao jornal que vários locais seriam os alvos, alguns simultâneamente, outros de forma aleatória, cm possiiblidades até de um ataque “kamikaze”. Porém, ele ressaltou que as equipes de prevenção estão bem preparadas na África do Sul.

Sandee se baseia em escutas de rádio e telefone interceptadas pela Nefa oriundas de países como Mauritânia, Argélia, Mali, Paquistão e Iêmen, além de advertir sobbre o funcionamento de campos de treinamento em Moçambique, onde estariam militantes paquistaneses e somalis. O especialista apontou como pontos fracos a corrupção alguns funcionários e autoridades do país, pela facilitação em se conseguir passaportes sul-africanos – fato que facilitaria a circulação de suspeitos dentro do território dos anfitriões do Mundial.

Além das partidas envolvendo Dinamarca e Holanda, um jogo em especial seria é um potencial alvo em específico: Inglaterra e Estados Unidos, no dia 12 de junho, em Rustemburgo.

Outro veículo sul-africano, o Times Live, publicou que o secretário de Justiça americano, Eric Holder, discute a possibilidade de convocar uma conferência sobre segurança ainda nesta semana com os ministros de interior de países como Alemanha, Espanha, Itália e Grã-Bretanha

Sul-africanos negam ameaças

O superintendente da polícia local, Vish Naidoo, declarou desconhecer as informações publicadas pelo jornal inglês, afirmando que todas as informações da inteligência sul-africana não reportaram tais suspeitas e que todas as medidas anti-terrorismo estão sendo tomadas.

Já o porta-voz do Ministério de Inteligência da África do Sul, Brian Dube, também declarou à agência de notícias AFP desconhecer qualquer tipo de ameaça ao torneio. Mesmo reconhecendo que nenhum país está imune a ataques terroristas, as autoridades continuarão alertas, mas que não existe nenhuma ameaça para a Copa neste momento.

(Portal Terra)

Anúncios