Rio de Janeiro, 2 jun (EFE).- O atacante Adriano, que recentemente trocou o Flamengo pela Roma, se apresentou nesta quarta-feira ao Ministério Público do Rio de Janeiro, onde declarou depôs por quase duas horas sobre uma suposta ligação que recebeu em janeiro passado para entregar dinheiro a um narcotraficante.

O artilheiro do Campeonato Brasileiro 2009 deixou a sede do Ministério Público sem dar declarações à imprensa, que o esperava na saída do local.

Segundo informações policiais, Adriano recebeu em janeiro deste ano uma ligação telefônica de um amigo, que lhe pedia R$ 60 mil para serem entregues a Fabiano Atanazio, o ‘FB’, apontado como o líder do tráfico de drogas na favela de Vila Cruzeiro, lugar onde o jogador foi criado.

O depoimento prestado hoje por Adriano foi concedido, de acordo com o Ministério Público, na condição de testemunha dentro do processo de investigação e não como acusado.

O atacante também deve comparecer a uma delegacia do Rio de Janeiro, para onde foi convocado a dar explicações sobre algumas fotos publicadas na qual aparece posando com fuzis.

Segundo a assessoria de imprensa de Adriano, uma das armas é de brinquedo, usada no jogo paintball, e a outra é uma lâmpada com forma de fuzil.

Em março deste ano, o jogador compareceu a uma delegacia do Rio de Janeiro para explicar sua relação com um narcotraficante, Paulo Rogerio de Souza Paz, conhecido como ‘Mica’, a quem supostamente teria dado uma motocicleta de presente.

Adriano admitiu que conhece o traficante desde a infância, mas negou ter entregue a moto, que foi comprada por um amigo com o cartão de crédito do jogador e registrada no nome da mãe de ‘Mica’, que não tem licença para dirigir.

(EFE)

Anúncios