O MPE (Ministério Público Eleitoral) entrou com uma representação na sexta-feira (21/5) contra a pré-candidata do PV à Presidência da República, Marina Silva, por suposta propaganda eleitoral antecipada. Caso a representação seja aceita, o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) pode multar a candidata entre R$ 5.000 e R$ 25 mil.

De acordo com a acusação do MPE apresentada ao TSE, Marina teria promovido sua candidatura no encontro do Instituto Democracia e Sustentabilidade, realizado na Assembléia Legislativa do Rio Grande do Norte, no dia 11 de maio.

A vice-procuradora-geral eleitoral, Sandra Cureau, responsável pela denúncia, diz que a faixa contendo o rosto de Marina, ao lado da frase “Marina Silva é a cara do Brasil”, caracteriza propaganda eleitoral subliminar. Segundo o texto, a frase “é uma clara mensagem no sentido de que a representada é a pessoa ideal para ocupar o cargo efetivo máximo deste país”.

O próprio Ministério Público reconhece, no entanto, que não houve menção explícita às eleições ou à candidatura de Marina.

(Ultima Instância)