Preparem-se para um grande show de comédia. A revista Time elegeu o presidente Lula a pessoa mais influente do mundo. O texto sobre Lula, assinado pelo cineasta Michael Moore, abre a reportagem de capa. A mídia nacional entrou em pânico. Divulgou o anúncio, mas logo depois deu início a uma improvisada operação de redução de danos. Entraram em contato com o departamento de relações públicas da revista, que avisou que não há ranking. O fato do nome de Lula aparecer ladeado pelo número 1 e o fato do texto sobre Lula abrir a reportagem foram apenas “decisão editorial”.

O candidato Serra, depois de parabenizar Lula, corrigiu a informação logo depois:

Ou seja, Jesus não precisou mandar dessa vez. Os porquinhos decidiram, por si mesmos, se lançar do penhasco. Até onde eu sei, o próprio prêmio da Time é uma decisão editorial. Tudo numa revista é decisão editorial. Se o texto sobre o presidente vem em primeiro lugar e se o seu nome aparece na dianteira, eu creio que, para a grande massa cheirosa que lê essa revista em todo mundo, Lula é o homem mais influente deste planetinha que, à diferença de algumas massas que o habitam, de cheiroso não tem nada (desculpem o mau humor, mas é que lembrei da Resende alagada ontem, e do perfume encantador que emanava das águas).

Ora, o RP da revista foi diplomático. Deve receber consultas semelhantes de pessoas ligadas a personalidades insatisfeitas com o número posto a seu lado. Imagino que se colocassem o presidente Lula em último lugar, ao lado do número 100, sem que houvesse nenhum texto comentando sua participação na lista, a mídia brasileira esbaldar-se-ia sobre a medíocre posição ocupada por Lula e não consultaria a Time para saber se há ranking ou não. Se FHC ou Serra estivessem no lugar de Lula, creio que os porquinhos guinchariam tão alto que perigariam abafar o choro do corinthianos desta quinta-feira.

Os estoques de Rivotril devem estar perto do fim em alguns bairros nobres. Por outro lado, se o presidente é aprovado por quase 90% da população brasileira, um prêmio desse tipo, ainda mais considerando que não é o primeiro (El País, Le Monde, etc, também prestigiaram Lula), é motivo de grande orgulho nacional, um fato salutar num país com notórios problemas de autoestima. Nossa mídia, infelizmente, não parece raciocinar dessa forma.

A ginástica que o Globo se obriga para explicar a seus leitores que, apesar de Lula figurar no topo da lista, ao lado do número 1, e de seu texto abrir a reportagem, o prêmio não é um ranking, apenas explicita sua imagem de pirracento, rancoroso e corroído pela mais ácida inveja.

(Blog Óleo do Diabo, de Miguel do Rosário)

Anúncios