Desde que Lúcifer, o mais belo dos Querubins, deixou-se tomar pelo orgulho a ponto de não mais aceitar servir a Deus, nunca mais pararam de acontecer insurreições  de coadjuvantes dos homens e mulheres que se tornaram protagonistas da epopéia humana por obra de seus dotes de liderança, artísticos ou intelectuais.  E esses insurrectos sempre se deixaram mover pela vaidade.

Os menos inteligentes dirão que estou comparando Lula a Deus e Ciro Gomes ao Diabo agora que o socialista se posicionou de uma forma altamente danosa ao projeto político que integrou por tantos anos. Só a falta de inteligência e de imaginação pode levar alguém a uma conclusão como essa.

Mas Ciro, de fato, doente de vaidade não entendeu a diferença entre ele e o presidente da República, mesmo que este tenha chegado aonde aquele jamais conseguiu – e aonde, pelo visto, jamais conseguirá chegar – simplesmente porque não sabe esperar e porque se recusa a amadurecer.

Simpatizo com Ciro Gomes. É inteligente e franco, mas é muito vaidoso. E nem julgo que ser vaidoso seja um pecado irremissível simplesmente porque o vírus da vaidade nos afeta a todos. Contudo, temos que lutar contra ele.

Temos que saber quando nos cabe o papel de protagonistas ou quando tudo o que podemos fazer, para eventualmente um dia merecermos esse papel, é sabermos nos integrar a projetos que podem não ser os nossos projetos, mas que, por serem os melhores para todos, devem receber precedência.

Depois de se portar tão bem por tantos anos, apoiando e colaborando com a obra do governo Lula, uma obra mundialmente reconhecida e que conta com o apoio maciço daqueles aos quais beneficiou, Ciro me joga tudo fora num ato tresloucado, passando uma imagem de si à sociedade que, inclusive, não deve corresponder à verdade.

Foi um desastre aquela entrevista que Ciro deu ao SBT, na qual o âncora de telejornal Carlos Nascimento, um anti-Lula notório – aliás, como todos os seus pares –, babava na gravata pela oportunidade de arrancar ataques a Lula e a Dilma do até então aliado deles.

Segundos depois de Ciro dizer, na malfada entrevista que deu ao SBT, que uma só palavra errada dita por um político publicamente pode acabar com ele, e que, portanto, as palavras de homens públicos devem ser medidas, ele simplesmente me ataca o povo de São Paulo.

Virão dizer que faço a mesma coisa porque vivo criticando os paulistas. Mais falta de inteligência e de imaginação. Primeiro, porque sou paulista de São Paulo e não um  paulista que construiu sua trajetória de vida em outro Estado; segundo, porque não sou candidato a nada.

Ficou feio demais Ciro elogiar Serra depois de tudo que disse dele, mesmo que, em seguida, o tenha atacado, mostrando uma bipolaridade incompatível com quem almeja uma posição como a que Lula exerceu com serenidade e de forma conciliadora e comedida, sabendo quando calar e quando falar graças ao seu instinto político insuperável.

É por isso que dou espaço aos meus críticos neste blog mesmo contra o desejo de leitores que se rebelam não só contra questionamentos razoáveis que me fazem, mas reclamando de ataques virulentos. É que os questionamentos funcionam como antídotos contra o vírus da vaidade, mal que ameaça infectar a todos nós em algum momento de nossas vidas.

Por Eduardo Guimarães, no http://edu.guim.blog.uol.com.br/