A Executiva do PSB vai comunicar a Ciro Gomes (CE) que os diretórios estaduais do partido preferem apoiar Dilma Rousseff (PT) para a sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A reunião que irá oficializar o fim da candidatura de Ciro está marcada para terça-feira, mas ele irá ouvir nesta quinta-feira os argumentos para desistir da disputa.

A cúpula do PSB escalou o vice-presidente do partido, Roberto Amaral, para preparar Ciro para a reunião de terça-feira. Presidente nacional do PSB e governador de Pernambuco, Eduardo Campos, reuniu-se nesta quarta-feira em Brasília com Amaral, primeiro-secretário Carlos Siqueira e do senador Renato Casagrande (PSB-ES).

O deputado Rodrigo Rollemberg (PSB-DF) também participou do encontro. “Seis meses atrás concordávamos que deveríamos ter um candidato próprio a presidente. Mas o quadro evolui para uma disputa plebicitária entre Dilma e José Serra (PSDB)”, disse. “Com isso, os arranjos estaduais foram se afunilando”, completou Rollemberg.

Amaral dirá a Ciro que a desistência da candidatura dele facilitará a formação de palanques estaduais. O caso de Rollemberg serve de exemplo. Ele quer sair candidato ao Senado no Distrito Federal numa chapa encabeçada pelo PT. O ex-ministro Agnelo Queiroz vai disputar o governo e Geraldo Magela ficará com outra vaga para o Senado.

Outro caso similar é do senador Renato Casagrande, que pretende disputar o governo do Espírito Santo pelo PSB. Como o PT prefere a aliança com o PMDB, ele planeja fazer uma coligação com o PR. O problema é que esse partido quer apoiar Dilma como candidata a presidente .“É uma realidade que se impõe”, afirmou Rollemberg.

Lula nas negociações – Em outra frente, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva deverá se encontrar ainda nesta quinta-feira com o governador do Ceará e irmão de Ciro, Cid Gomes. O principal objetivo do presidente é evitar que articulação para fazer Ciro desistir atrapalhe a formação do palanque cearense de Dilma.

O temor é que Ciro decida apoiar a candidatura de Tasso Jereissati (PSDB) para o Senado. O plano inicial de Lula é montar um palanque com Cid Gomes, como candidato à reeleição, e os deputados Eunicio Oliveira (PMDB-CE) e José Pimentel (PT-CE), como candidatos ao Senado.

(Ultimo Instância)