Se antes faltavam apenas “alguns arranjos” para a aliança entre o senador Tasso Jereissati (PSDB) e o governador Cid Gomes (PSB) se concretizar, as indefinições nacionais e a possível presença do PT no palanque de Cid agora emperram a união entre PSDB e PSB no Ceará. Ontem, antes de participar do XXVII Congresso Estadual de Vereadores, Tasso afirmou que não pode colocar sua reeleição ao Senado acima da eleição do candidato tucano à Presidência da República, o ex-governador de São Paulo José Serra. “Tenho que pensar no meu partido. Eu não posso pensar só na minha candidatura ao Senado”, afirmou.

Apesar de afirmar que tanto ele como Cid “foram paridos do mesmo ventre“, ou seja, defendem o mesmo projeto, Tasso pondera que é necessário primeiro saber se o deputado federal Ciro Gomes (PSB) será ou não candidato à sucessão do presidente Lula (PT). Caso seja, garante o senador, o PSDB terá palanque próprio. Assim como o PT, que, na sua avaliação, também deverá ter.

“Provavelmente vá se desenhar três palanques diferentes aqui. O nosso palanque é o do Serra, isso já está absolutamente definido, e o meu palanque é o palanque do Serra. Aonde eu estiver no palanque, vai estar o Serra também“, garante o tucano. Ele admitiu ainda ter conversado algumas vezes com Cid sobre o emaranhado político em que se transformaram as eleições no Ceará. No entanto, não teria havido nenhuma definição.

Outro fator que pode atrapalhar os planos de Tasso de estar no mesmo palanque de Cid é, na hipótese de Ciro desistir da corrida eleitoral, o PT permanecer na aliança que hoje sustenta o Executivo. Ele até reconhece que na sigla esquerdista existe “gente boa“. Entretanto, seria impossível negociar com um partido que, segundo ele, divide o país e aceita em seus quadros “mensaleiros e aloprados“. “Com o PT que pensa desse jeito, evidentemente que é muito difícil a gente fazer alguma aliança“, reforça.
Antevendo os dois cenário, Tasso admite até que não está totalmente descartada a possibilidade de o PSDB ter candidato próprio ao Governo do Estado. “Nós vamos ver. Eu acho que daqui para o fim do mês esse cenário estará bem desenhado”.

Afronta –  Mesmo afirmando que a candidatura de Ciro à Presidência da República inviabiliza uma aliança com o governador – e provável candidato à reeleição – Cid Gomes, Tasso tratou de tomar suas dores ontem ao ser questionado sobre a vinda ao Ceará da candidata do PT ao Planalto, a ex-ministra Dilma Rousseff, por ocasião da entrega do título de cidadã fortalezense. “Uma visita como essa pra mim é quase que uma afronta direta ao Ciro“, atacou Tasso. Para ele, a petista poderia ter esperado o cenário nacional se definir para só depois vir.

Logo em seguida, o senador tucano ironizou a vinda daquela que é considerada como a principal adversário de Serra para as eleições de outubro. “Mas é bom que ela venha aqui (ao Ceará) conhecer. Quem sabe daqui para o fim da campanha ela conhece a gente melhor“, alfinetou Tasso.

BASTIDORES –  – Ao finalizar o seu discurso, o senador Tasso Jereissati afirmou que em breve estará “carregando a bandeira do PSDB“ pelo Estado. Em seguida, deixou o recado: “Tenho certeza que votaremos certo nesse ano“.

– Depois de agradecer a participação de Tasso, o presidente da UVC, Deuzinho Filho (PMN), pediu para que o aliado lembrasse sempre “dos nossos municípios e das minhas crianças“. “Minhas crianças?!“, questionou Tasso. “É, eu chamo os vereadores de minhas crianças. Mas eu só posso perdoar no limite do pecado. Não pode passar (do limite), se não vai para o inferno“, respondeu Deuzinho.

– Ao cumprimentar a mesa, Tasso elogiou bastante o presidente da Câmara de Fortaleza, vereador Salmito Filho (PT). “Tenho grande admiração pelo trabalho do presidente Salmito, mesmo sendo de partido diferente“.

– Em frente ao hotel Gran Marquise – local do congresso estadual de vereadores -integrantes do movimento “Fora Roberto“ faziam muito barulho para chamar a atenção dos participantes. A manifestação foi contra o prefeito de Maracanaú, Roberto Pessoa (PR).

– Em rápida entrevista antes de deixar o local da palestra, o senador Tasso Jereissati comentou a reunião da última quarta-feira entre a prefeita Luizianne Lins (PT) e o ex-governador Lúcio Alcântara (PR). Ele admitiu que ficou surpreso e, em seguida, tentou minimizar a importância do encontro: “Mas cada um se encontra com quem quiser. Não tenho nenhuma restrição a isso“.

– Deuzinho confirmou que fará tudo que estiver ao seu alcance para reeleger Tasso senador. Sobre a segunda vaga, afirmou que tem mais simpatia pelo ex-ministro José Pimentel (PT).

(O Povo Online)