SÃO PAULO – A frente fria que causou mais de 160 mortes no estado do Rio de Janeiro avança pelo Nordeste brasileiro, trazendo chuva forte e muita instabilidade para a região pelo menos até sábado. Nas últimas 24 horas, a frente fria causou chuva torrencial em várias cidades baianas, incluindo Salvador, onde houve registro de várias quedas de árvore. Nesta sexta-feira, ela deve atingir o estado de Alagoas, o que é considerado incomum, segundo meteorologistas.

– Essa frente fria é a mais forte do ano até agora. Por ser bem estruturada e não ter encontrado nenhum bloqueio ao longo do caminho, ela já avança pelo Nordeste, o que não é comum, e já causa queda da temperatura no Sul da Amazônia – diz o meteorologista Marcelo Pinheiro, da Climatempo.

Em Prado, na Bahia, a chuva deixou mais de 100 famílias desalojadas. Na quarta-feira à noite, uma mulher de 42 anos morreu vítima de uma descarga elétrica ao pisar num fio de uma rede clandestina.

Para Naiane Araújo, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), a tendência pelo menos até setembro é da passagem de outros sistemas semelhantes no país.

– Nós já estamos no outono, nos aproximando do inverno, e isso fica cada vez mais comum durante a próxima estação. Essa foi apenas a primeira a conseguir subir e atingir o interior da região – diz Naiane.

A frente teve origem no Rio Grande do Sul, no fim da última semana, e avançou rapidamente pelo Sul e Sudeste. No Rio de Janeiro, causou temporais na noite de segunda e na terça-feira e uma série de deslizamentos e mortes. De terça para a quarta-feira, quando passou pelo sul da Bahia, choveu 125 milímetros em Caravelas, no litoral, segundo a Climatempo. Em Salvador, choveu 71 milímetros somente entre 9h de quarta-feira e 9h desta quinta-feira.

Até sábado, segundo a Climatempo, a presença desse sistema vai gerar nuvens extremamente pesadas em muitas áreas do Nordeste, principalmente na faixa litorânea entre Salvador e o norte de Alagoas. No interior da região, por conta do surgimento de áreas de instabilidade, há inclusive previsão de temporais no semiárido.

A frente fria veio acompanhada de uma massa de ar polar que causou a queda da temperatura na maior parte do país. No Sudeste, o sistema passou acompanhado de um ciclone extratropical que deixa o mar agitado, com possibilidade de ressaca, pelo menos até sábado. Nos litorais fluminense e paulista, as ondas podem chegar a 4 metros e 3,5 metros de altura, respectivamente.

(O Globo Online)