por Eduardo Guimarães, no Cidadania. com

Como tenho a impressão de que as atualizações que faço de meus posts podem não ser suficientemente notadas por um leitorado que tem uma extensa lista de blogs e sites a percorrer além desta página, transformo em novo post o adendo que fiz ao post anterior. E também para fazer algumas considerações sobre o significado da notícia.

O jornal Folha de São Paulo, dono do instituto de pesquisas de opinião Datafolha e militante enrustido da campanha do governador José Serra à Presidência, insinuou em sua notória coluna “Painel”, publicada neste sábado, que a pesquisa Vox Populi relativa à sucessão presidencial a ser divulgada hoje pela tevê Bandeirantes teria sido manipulada contra José Serra.

Vejam:

Folha de São Paulo

03-04-2010

Painel

RENATA LO PRETE

Prancheta 1.

Chama a atenção, no questionário de pesquisa Vox Populi sobre a sucessão presidencial com campo em 30 e 31 de março, a inclusão de pergunta relativa aos cargos que os candidatos já ocuparam, quebrando o fluxo das respostas espontânea e estimulada sobre intenção de voto. Esse tipo de procedimento é conhecido por distorcer resultados.

Prancheta 2.

Para completar, as opções diante do nome de José Serra (PSDB) estão incompletas. Há apenas “governador” e “governador de São Paulo”.

É uma insinuação que não tem absolutamente nada que ver e é isso que a torna tão significativa.

Aliás, a propósito do novo “campo” do Vox Populi, ontem o novelista da Globo Aguinaldo Silva divulgou no Twitter que teria tido acesso a “vazamento” da pesquisa e que Dilma teria “caído de novo”.

Quando o jornal que é dono do Datafolha questiona a metodologia do concorrente em uma nota nebulosa e de significado subjetivo, julgo ser bastante significativo.

Fazer uma quase denúncia como essa demanda explicar direito a acusação. Aliás, um instituto acusar o outro é alguma coisa meio inédita. Ainda mais sendo uma acusação velada.

Por que perguntar os cargos que cada candidato já exerceu distorceria a pesquisa? A pergunta permite verificar se o eleitor sabe quem é a candidata do presidente que tantos apóiam, ora, pois esse dado virá à tona com força quando começar a campanha de fato.

Como venho dizendo, as pesquisas que não colocam esse dado para o pesquisado não lhe dão todas as informações que terá quando fizer sua escolha eleitoral, de maneira que essas pesquisas têm sido algo inúteis.

Pode ser, no entanto, que a Folha tenha soltado esse balão de ensaio só por precaução. Talvez não tenha tido acesso aos resultados da pesquisa Vox Populi, mas é difícil crer que não teve porque essas pesquisas sempre “vazam”.

E pode ser, claro, que eu esteja superdimensionando o episódio e o novelista global, de lá de Paris, não tenha simplesmente lançado um balão de ensaio em meio a uma taça de chardonnay e outra. Contudo, logo mais à noite, no Jornal da Band, saberemos se o último Datafolha de fato cheira mal – se, desta vez, a emissora não segurar os dados…

De qualquer forma, esta questão é mera curiosidade. Se o Vox Populi, por acaso, confirmar o Datafolha, não será surpresa, agora, depois de todos aqueles comerciais do PSDB exaltando Serra – inserções publicitárias a que o partido tem direito – e do lançamento informal de sua candidatura, amplamente festejado pela mídia.

A única relevância nesta questão diz respeito a possível contradição do Datafolha pelo Vox Populi. Se houver, estará confirmado que houve manipulação do instituto de pesquisa da Folha, jornal no qual Judith Brito é diretora. Judith, que disse, em evento do instituto Millenium, que seu jornal atua como oposição ao governo Lula.