São Paulo – Quatro professores da rede estadual de educação foram presos nesta quarta-feira (24/3) pela Polícia Militar (PM) durante uma manifestação em Franco da Rocha (SP).

A PM informou, por meio da assessoria de imprensa, que cerca de 50 professores promoveram um “apitaço” no local onde o governador de São Paulo, José Serra, participava da cerimônia de inauguração do Centro de Atenção Integrada à Saúde Mental (Caism). De acordo com a polícia, os professores tentaram invadir o palanque onde estava o governador, mas foram isolados pelos policiais.

Segundo Edmilson Costa Santos, coordenador estadual do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), entre 50 e 70 professores foram até o Caism para pedir ao governador a abertura de negociação com a categoria, que está em greve desde o dia 8 de março em todo o Estado.

Santos disse que os professores protestavam à distância e gritavam palavras de ordem, mas foram contidos “com truculência” pelos policiais, que chegaram a fazer uso de gás de pimenta. Ele afirmou também que quatro professores foram presos por desacato e perturbação à ordem. “O governador veio inaugurar um elefante branco que só ficará pronto em 2013”, disse.

De acordo com o coordenador da Apeoesp, os quatro professores, acompanhados por um advogado, continuam na delegacia de Franco da Rocha, onde prestam esclarecimentos.

As principais reivindicações da categoria são o reajuste salarial de 34,3%; a incorporação de todas as gratificações, extensiva aos aposentados; plano de carreira; garantia de emprego; a revogação das leis 1093, 1097, 1041 (Lei das Faltas); e concurso público de caráter classificatório.

Segundo a Apeoesp, uma nova manifestação dos professores deve ocorrer na próxima sexta-feira (26), às 15 horas, nas proximidades do Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista.

(Correio Brasiliense)