São Paulo – Acompanhado por duas fotos e com um alerta de “procurado”, o nome do deputado federal Paulo Maluf (PP-SP) aparece desde o ano passado em uma das páginas da Interpol, a polícia internacional. Maluf aparece no site da Interpol integrando a chamada “difusão vermelha”, que seria uma espécie de alerta máximo e que significa que o deputado não poderá se deslocar para um dos 181 países integrantes da Interpol sob risco de ser preso.

A ação que desencadeou a inclusão do nome de Maluf na Interpol é da promotoria criminal de Nova York (nos Estados Unidos) que acusa o deputado de ter participado de uma conspiração para roubar dinheiro da prefeitura de São Paulo, crime que teria tido início em janeiro de 1993 quando Maluf foi eleito prefeito. Em Nova York, Maluf é acusado de conspiração em quarto grau, ocultação de valores desviados e de roubo de dinheiro do município.

“Os conspiradores engendraram um esquema de superfaturamento e de propina envolvendo a construção municipal de uma avenida arterial em São Paulo conhecida como projeto da Avenida Água Espraiada” (atualmente chamada de Jornalista Roberto Marinho), diz documento assinado pelo promotor norte-americano Robert Morgenthau. O esquema teria funcionado com participação de empresas brasileiras de construção, com utilização de faturas superfaturadas.

Segundo Morgenthau, Maluf teria transferido os “recursos roubados” da prefeitura da capital paulista para uma conta em Nova York, que recebeu o nome de Chanani. De lá, o dinheiro teria seguido para uma conta bancária nas ilhas de Jersey. O promotor norte-americano também acredita que o dinheiro aplicado na conta bancária de Nova York tenha retornado ao Brasil para comprar artigos pessoais e pagar despesas relativas a campanhas políticas brasileiras, entre elas, a do ex-prefeito Celso Pitta, que administrou a cidade entre 1997 e 2000.

“Ele não é preso no Brasil porque deveria haver um pedido de extradição da Justiça de Nova York para o Brasil. Mas ele não pode ser extraditado porque a Constituição brasileira proíbe a extradição de brasileiro nato”, explicou o promotor do Ministério Público de São Paulo Silvio Marques. O promotor acredita que Maluf tenha desviado US$ 166 milhões dos cofres da prefeitura para a sua empresa, a Eucatex.

Segundo o sítio da Interpol, pesam contra Maluf acusações de fraude e roubo. Além do deputado, também é “procurado” pela Interpol o seu filho Flávio Maluf.

Os advogados de defesa do deputado suspeitam de que a denúncia possa conter alguma influência política, já que Maluf aparecia no sítio da Interpol há pelo menos seis meses e o fato só foi divulgado agora, próximo das eleições. O promotor negou influência política. “Não se trata de perseguição política e sim de um processo criminal em razão dele ter cometido crimes nos Estados Unidos. Até porque não haveria motivo nenhum para a promotoria de Nova York estar perseguindo o ex-prefeito que lá não tem nenhuma influência política”, disse Marques.

O promotor também negou que a ação tenha sido uma forma de represália contra Maluf, que é autor de uma lei apelidada de “mordaça”, que está tramitando no Congresso e que defende multa ao promotor que esteja agindo politicamente num processo. O projeto deve ser votado na semana que vem.

O advogado Mauricio Silva Leite, um dos cinco defensores do deputado no caso, diz que uma ação já foi impetrada no início de fevereiro tentando anular a ação. “Considero esse ato uma violência, uma afronta à soberania do Brasil e uma afronta também ao Congresso Nacional. Seria mais ou menos um promotor estadual de Santa Catarina ou do Acre mandar uma ordem para a polícia internacional para criar uma restrição para um congressista americano. Para mim isso é uma ilegalidade”, afirmou.

Além desse processo que corre na justiça de Nova York, Maluf também está sendo investigado em dois processos que correm atualmente no Supremo Tribunal Federal (STF). Segundo Silvio Marques, nos processos que correm no Brasil o deputado é acusado de corrupção e de lavagem de dinheiro.

(Correio Brasiliense)

Anúncios