RIO – O diretor de relações com investidores do Itaú Unibanco, Alfredo Setubal, acredita que os bancos privados poderão ganhar ao menos parte do terreno perdido para o Banco do Brasil no mercado no ano passado.

Em meio à crise financeira internacional, o banco federal se beneficiou ao tomar medidas de expansão do crédito, enquanto os competidores do setor privado se retraíram como prevenção contra a turbulência.

“Acho que os bancos privados vão recuperar uma parte desse mercado que foi perdido”, frisou Setubal. “Eles tomaram uma decisão e acertaram, foi favorável, muito bom. Mas o setor privado, estando mais ativo, tem mais produto, tem condições de recuperar tudo ou parte desse mercado que foi perdido para o Banco do Brasil”, ressaltou o executivo.

Setubal rechaçou ilações sobre uma possível tomada de liderança no setor bancário brasileiro, atualmente nas mãos do Banco do Brasil. Segundo ele, a fusão entre o Itaú e o Unibanco não teve como objetivo principal a busca de uma posição de liderança.

“Não temos esse target (alvo). O nosso target é crescer e manter market share (participação de mercado)”, ponderou o diretor.

Apesar de reconhecer o acerto da estratégia do Banco do Brasil – dentro de uma política do governo brasileiro de garantir liquidez ao setor produtivo no auge da crise internacional – Setubal nega que tenha havido erro por parte dos concorrentes privados.

“Discordo de quem diz que os bancos privados erraram ao retrair o crédito durante a crise. A crise era uma incógnita e os bancos privados foram mais cautelosos com os recursos dos acionistas”, rebate.

(Rafael Rosas | Valor)