A chuva que atingiu o Vale do Paraíba neste começo de ano causou danos em cidades da região e isolou Cunha e São Luiz do Paraitinga, onde aproximadamente 9.000 pessoas foram obrigadas a deixar suas casas –quase toda a população–, de acordo com estimativas da Defesa Civil Estadual. Prédios históricos estão danificados, entre eles a igreja matriz São Luiz de Tolosa, construída no século 19, que desabou parcialmente neste sábado.

 Com o grande volume de chuva, o rio Paraitinga, que corta a cidade, transbordou. Imóveis ficaram praticamente cobertos pela água. Todo o centro histórico –que abriga o conjunto arquitetônico de casas térreas e sobrados– foi inundado. De acordo com informações da prefeitura, são cerca de 90 imóveis tombados pelo patrimônio histórico de São Paulo.

O Corpo de Bombeiros informou que a cidade está isolada, sem energia e com o fornecimento de água comprometido. A comunicação por celular está prejudicada.

A Defesa Civil contabiliza 4.000 pessoas desabrigadas –encaminhadas para abrigos públicos– e 5.000 desalojados –que aguardam a água baixar em casas de amigos ou parentes. De acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a população estimada da cidade, em 2009, era 10.908 pessoas.

Equipes dos bombeiros usam botes para resgatar as vítimas. O Exército também auxilia nos trabalhos, com um helicóptero.

A prefeitura decretou estado de calamidade pública. Não há registro de feridos ou desaparecidos. Fundada em 1.769, a cidade é conhecida também pelas festas populares –como a tradicional Festa do Divino e o Carnaval.

Cunha

A cidade de Cunha (241 km de São Paulo), cidade turística do Vale do Paraíba, também foi atingida pelo temporal. A cabeceira da ponte do rio Paraitinga na cidade, na rodovia Paulo Virgínio (SP-171), desmoronou por volta das 9h deste sábado, informou a Polícia Militar. A rodovia já estava interditada desde sexta (1º), quando desmoronou a cabeceira da ponte do rio Jacuí, no km 40 da mesma rodovia.

Seis pessoas de uma mesma família morreram em um deslizamento de terra na madrugada de sexta na área rural da cidade. A Defesa Civil afirma que são 20 desabrigados e 75 desalojados na cidade.

Outras cidades

A chuva também tirou moradores de casa em Garatinguetá e em Guararema.

Em Guaratinguetá, a Defesa Civil afirma que são 800 desabrigados e 2.000 desalojados. Em Guararema, 45 casas foram interditadas, e 38 pessoas ficaram desabrigadas.

(Folha Online)