O ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi, anunciou nesta sexta-feira que a partir da próxima segunda-feira a Caixa Econômica Federal irá oferecer uma linha de crédito para motoboys interessados em adquirir motonetas e motocicletas novas de até 150 cilindradas de fabricação nacional.

os motoboys que exercem regulamente a profissão no transporte de mercadorias e documentos terão juros mais baixos e prazos de pagamento de até 48 meses para adquirir novos veículos.

Com limite de até R$ 8 mil, os interessados poderão financiar até 80% do veículo. Em uma modalidade, o total de parcelas será de 36 meses e os juros, baseados na Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) mais 12% ao ano. Na segunda opção – de 37 a 48 meses – incidirá sobre o valor do veículo a TJLP, mais 18% ao ano.

Os veículos deverão ter itens de segurança regulamentados pelo Código de Trânsito Brasileiro, como freios a disco, pisca-alerta, protetor de pernas, aparador de linha (antena corta-pipas), baú com reflexivo, vacina contra roubo, colete e capacete. Além disso, será obrigatória a contratação do seguro do bem.

O vice-presidente de Pessoa Física da Caixa, Fábio Lenza, informou que os empréstimos serão operacionalizados até julho do ano que vem, totalizando R$ 100 milhões, recursos provenientes do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT ).

Segundo ele, o benefício será restrito aos trabalhadores devidamente regulamentados, ou seja, autônomos inscritos no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e profissionais com vínculo empregatício com código CBO nº 5191-10, que define o uso da motocicleta para transporte de documentos e pequenos valores.

De acordo com dados da Caixa, em todo o país, existem cerca de 251 mil profissionais empregados que têm esse certificado, dos quais 90 mil no estado de São Paulo e 60 mil na Grande São Paulo, onde estão 23,9% da categoria de todo o país.

– A linha de financiamento atende todas as reivindicações das leis federal e do município onde a moto só vai sair para os meninos que já estão padronizados e têm uma qualificação voltada para a regulamentação -, disse o presidente do Sindicato dos Mensageiros, Motociclistas, Ciclistas e Mototaxistas do Estado de São Paulo, Gilberto Almeida dos Santos.

(Agência Brasil)