Gilad Shalit

Em setembro de 2006, o jovem Gilad Shalit descreveu sua vida aos 19 anos, em uma carta escrita do cativeiro, como um “pesadelo intolerável e inumano”.

Desde então, mais de 1,2 mil dias se passaram, e não há indícios de que a situação tenha melhorado, mesmo que muito pouco tenha se ouvido falar do rapaz: militar israelense, Shalit está em “cativeiro solitário” desde junho de 2006. Depois de inúmeras tentativas fracassadas, porém, o fim do drama parece próximo. O prisioneiro, um trunfo do grupo extremista palestino Hamas em qualquer discussão com Israel, está prestes a ganhar liberdade.

No mês passado, o movimento islâmico entregou pela primeira vez, em troca da libertação de 20 prisioneiras palestinas, um vídeo mostrando o sargento vivo. Em dois minutos e 40 segundos de gravação, Shalit diz que tem lido jornais para procurar informações sobre o andamento das negociações para sua soltura. Por muitos meses, ele se tornou uma causa célebre em Israel – seu rosto cheio de espinhas e com aparência juvenil apareceu em cartazes por todo o país. Autoridades israelenses falavam sobre seu caso com diplomatas estrangeiros em todas as oportunidades que tinham.

Shalit pode ser trocado por mil presos palestinos

Com o tempo, o militar deve ter se frustrado – já surgiram rumores sobre sua libertação antes, mas as negociações nunca pareciam avançar. Tanto que importantes figuras políticas israelenses se recusam há tempos a comentar o assunto. Há três anos, sua captura levou a um ataque israelense à Faixa de Gaza. Na recente ofensiva de Israel em Gaza, entre dezembro de 2008 e janeiro de 2009, contudo, seu nome praticamente não foi citado.

Agora existe uma intensa especulação, do lado israelense e do lado palestino, sobre uma provável troca de prisioneiros. O que teria mudado o rumo da conversa seria o envolvimento nas conversações, desde o início de 2009, de um mediador alemão. Israel libertaria até mil palestinos, e o Hamas soltaria o sargento.

– Nunca estivemos tão perto de um acordo – chegou a afirmar o ministro da Indústria, Trabalho e Comércio israelense, Binyamin Ben-Eliezer.

No mesmo vídeo de outubro, Shalit expressa seu amor pela família em Israel. A boa notícia é que, além de vivo, ele parece estar bem de saúde.

(Portal Zero Hora)

Anúncios