Brasília –  A prefeita de Fortaleza, Luizianne Lins, abriu ontem em Brasília o I Encontro Nacional de Tecnologia da Informação para os Municípios Brasileiros, organizado pelo Ministério do Planejamento do Orçamento e Gestão (MPOG).

Segundo a prefeita, “o objetivo do evento é partilhar as informações e as experiências acumuladas em tecnologia da informação. Hoje o MPOG tem um portal, que serve exatamente como local virtual, para que as experiências da tecnologia da informação são partilhadas. E atualmente a cidade de Fortaleza não só se alimenta deste portal no sentido de usar o desenvolvimento de software transportado de lá, como também somos uma das maiores cidades colaboradoras deste portal”, destacou a prefeita.

Luizianne explicou que entre os principais programas disponibilizados pela prefeitura de Fortaleza dentro do portal do MPOG estão o Plano Diretor de Tecnologia da Informação de Fortaleza, o Plano Diretor de Geoprocessamento da PMF e o Sistema de atendimento utilizado nas Praças do Povo.

Para os próximos meses, Luizianne Lins anunciou que serão inclusos ainda o Sistema de Controle Urbano e Fiscalização Integrada, a Nota fiscal eletrônica municipal livre e o Projeto de Conectividade Social da Rede Fortaleza Digital.

Dentro do encontro o governo federal vai lançar oficialmente também um software livre chamado de e-cidade, que tem como objetivo ajudar prefeituras de todo o País a melhorar a gestão de seus municípios.

O programa visa facilitar a organização de gastos, do orçamento, da receita tributária, do controle de medicamentos, de recursos humanos e outros serviços no mesmo aplicativo.

De acordo com o secretário de Logística e Tecnologia da Informação do MPOG, Rogério Santana, com o uso livre, as prefeituras poderão adaptar as funções do aplicativo à realidade local e trocar experiências com outros gestores.

Segundo Luizianne Lins, o programa desenvolvido pela Prefeitura de Fortaleza, com alunos da rede de ensino de nível médio, permite que a Capital do Ceará seja um dos celeiros na formação de profissionais nesta área. “Eu fico orgulhosa de Fortaleza ser no Brasil uma das cidades que mais desenvolve, mais compartilha com o site do Ministério do Planejamento”, ressaltou a prefeita.

Hospital da Mulher – No final da cerimônia no Ministério do Planejamento, ao ser perguntada sobre as irregularidades apontadas na utilização dos recursos do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) em Fortaleza, Luizianne Lins afirmou que as irregularidades apontadas não se referem ao Hospital da Mulher.

A prefeita explicou que esta obra não está incluída dentro do PAC e que a grande parte dos recursos utilizados no Hospital são próprios, sendo que apenas R$ 6 milhões seriam federais.

Já em relação as irregularidades apontadas pelo Tribunal de Contas da União nas obras do Hospital da Mulher, conforme matérias publicadas pelo Diário do Nordeste nas edições do último domingo (25) e da segunda-feira (26), na qual foram mencionadas 13 irregularidades, dentre elas, erro na contratação da empresa para tocar a execução das obras, superfaturamento decorrente de preços excessivos frente ao mercado e itens pagos em duplicidade, a prefeita apontou: “Sobre os problemas apontados pelo TCU, eu os entendo como problemas técnicos. Das 10 obras apontadas como tendo irregularidades, eu vejo problemas técnicos. Não podemos deixar que as obras sejam paralisadas por estas irregularidades. É natural que a oposição esperneie, mas é fundamental tocar as obras. É fundamental separar o que é realmente importante do que é só problema técnico para não paralisar as obras”, disse Luizianne Lins.

Fonte: Diário do Nordeste