No final da manhã desta quinta-feira, dia 8, os bancários de instituições privadas se reuniram na Praça da Alfândega, no centro de Porto Alegre, para avaliar a proposta apresentada pela Fenaban ao Comando Nacional dos Bancários na noite anterior.

O diretor do SindBancários Mauro Salles iniciou a assembleia informando os colegas do conteúdo da proposta. “Depois de 14 dias de greve, finalmente, os banqueiros apresentaram uma proposta possível de ser apreciada pela categoria”, declarou ele. A proposta inicial foi amplamente rejeitada pelos bancários, pois oferecia apenas a reposição da inflação como reajuste e uma PLR menor que a do ano passado.

Lúcio Mauro, diretor jurídico do SindBancários, afirmou que não haverá desconto dos dias parados. “Nós sabemos que merecemos mais e que ainda há muito por que lutar, mas conquistamos esses avanços com a nossa luta”, disse ele.

Para Everton Gimenis, também diretor do Sindicato, os bancários podem voltar ao trabalho de cabeça erguida por terem conquistado vitória diante do mais poderoso patrão do país, os banqueiros. Além disso, ele saudou aos colegas que não se deixaram intimidar pela forte pressão dos bancos privados e agradeceu à população que compreendeu e apoiou o movimento. “Nossa greve nunca quis prejudicar os clientes, mas sim enfrentar os bancos, que exploram a eles e a nós”, afirmou Gimenis.

Antes de colocar em votação a aceitação ou não da proposta da Fenaban, Mauro Salles ressaltou a importância de os bancários permanecerem atentos para não tolerar abusos. “Se houver problemas na volta ao trabalho, pressão ou assédio, denunciem ao Sindicato”, alertou.

Por fim, a assembleia aprovou a aceitação da proposta da Fenaban e o retorno ao trabalho a partir do meio-dia desta quinta-feira.

Fonte: Seeb Porto Alegre