São Paulo – Após a forte greve nacional dos bancários, a direção da Caixa Federal retomou as negociações específicas com os empregados na quinta-feira 1º de outubro. Durante a reunião, os representantes da Caixa afirmaram que irão cumprir as cláusulas econômicas que forem acordadas com a Fenaban, como o índice de reajuste salarial e a Participação nos Lucros e Resultados.

A negociação teve como foco principal as reivindicações relativas à saúde e condições de trabalho. Os bancários conquistaram alguns avanços, como a criação de comitês para a discussão e resolução de casos de assédio moral.

Para a diretora do Sindicato Jackeline Machado, trata-se de um avanço importante, pois a Caixa finalmente reconheceu a importância do combate ao assédio moral dentro da empresa. “Com a criação desses comitês de ética regionais, que terão a participação dos trabalhadores, poderemos apurar e resolver os problemas do assédio moral”, diz.

Ao todo serão cinco comitês no Brasil, a ser criado no âmbito das Superintendências de Atendimento. O formato ainda não está fechado e será definido nas próximas negociações. Nova rodada ainda não foi agendada.

Saúde Caixa – A Caixa reafirmou a constituição dos comitês de acompanhamento de credenciamento e descredenciamento da rede Saúde Caixa. Serão criados um comitê em cada Gipes, composto por cinco representantes efetivos e cinco suplentes, indicados pelas entidades sindicais, e dois representantes da própria Gipes. O banco também aceitou discutir com os trabalhadores o modelo de custeio do plano de saúde.

Cipeiros – O banco atendeu também a uma reivindicação histórica dos trabalhadores e anunciou que passará a realizar eleições para a escolha de todos os cipeiros. Nos locais de trabalho onde a lei obriga a criação de Cipa (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes), todos os integrantes serão eleitos pelos trabalhadores, em lugar de apenas a metade como é feito hoje, nos termos previstos pela lei.

Fonte: SEEB/SP