O momento é de comemoração e já nem se pensa em crise econômica quando o assunto é a geração de empregos na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF). O coordenador do Sistema Nacional de Empregos (Sine) e Instituto de Desenvolvimento do Trabalho (IDT), Ari Célio Mendes, revelou ontem, no auditório da Secretaria de Desenvolvimento do Trabalho, um relatório que aponta a criação de 33 mil postos formais em agosto (aumento de 2,2% em relação ao número de julho) e redução de 12,3% para 11,7% na taxa de desemprego.

A Pesquisa Emprego e Desemprego (PED) avalia três regiões metropolitanas no Nordeste: Bahia, Pernambuco e Ceará. Segundo o diretor de Estudos e Pesquisas do IDT, Júnior Macambira, Fortaleza e adjacências tiveram o melhor resultado no nível de empregos entre as avaliações da PED. “Como a pesquisa na Região apura os números das três maiores economias regionais, e a RMF foi a que se saiu melhor entre elas, pode-se concluir que no Nordeste a Região Metropolitana de Fortaleza é a que tem melhor desempenho quanto à geração de empregos“, diz.

O nível de desocupação é de 202 mil pessoas, o menor já registrado desde a criação da pesquisa. O nível de emprego ficou positivo pelo quarto mês consecutivo na RMF e o principal motivo do otimismo dos pesquisadores é que em todos os segmentos os resultados foram positivos. “O número de vagas abertas, tanto para mulheres quanto para homens, em todas as faixas etárias pesquisadas, juntamente com a queda do desemprego sustentam a boa fase“, avalia Mendes.

Serviços –  Na Região Metropolitana de Fortaleza, estão empregadas 1,52 milhão de pessoas, sendo que o setor que mais emprega é o de serviços, com 710 mil vagas; seguido do comércio (300 mil); da indústria (271 mil); outros, que incluem serviços domésticos, por exemplo (158 mil), e por fim a construção civil (85 mil). Todos os segmentos tiveram incremento, com exceção do item “outros“, que perdeu mil vagas.

O setor de serviços puxou a alta de empregos, com a abertura de 17 mil novas vagas, acompanhado pela indústria, com 10 mil novas oportunidades; construção civil, que abriu quatro mil vagas, e pelo comércio, com três mil novos postos. “A elevação dos empregos de serviços ratifica o setor, mas o destaque é o crescimento da indústria“, avalia Macambira.

Com estes resultados em mãos, Ari Célio Mendes diz que pode afirmar que não há mais qualquer efeito de crise econômica e que a tendência é de crescimento na geração de empregos na Região Metropolitana de Fortaleza. “A melhora dos indicativos ocorre em todos os setores. Agosto foi o mês de maior destaque até agora desde o início da crise econômica“, analisa Mendes. O número de desocupados foi reduzido em sete mil vagas, ou menos 3,3%, complementa.

NÚMEROS

33
VAGAS MIL VAGAS FORMAIS FORAM GERADAS EM AGOSTO

1,52
MILHÃO DE OCUPADOS NA RMF

202
MIL MIL DESOCUPADOS NA RMF

17
MIL VAGAS CRIADAS PARA O SETOR DE SERVIÇOS

Fonte: O Povo Online