Após o início do processo de impeachment contra a governadora Yeda Crusius (PSDB) ontem, na Assembleia Legislativa gaúcha, uma manifestação popular naquela casa legislativa reforçou o pedido de saída da governadora, bem como cobrou que o deputado Coffy Rodrigues, do mesmo partido de Yeda, deixe o cargo de relator da CPI da Corrupção, que vai apurar desvios de R$ 44 milhões do Detran-RS e a suposta participação da governadora no caso.


O protesto, realizado pela manhã, contou com a participação de mais de duas mil pessoas, entre estudantes e servidores públicos, provenientes de diversas cidades gaúchas. O movimento protestou na Praça da Matriz, em frente ao Palácio Piratini e, em seguida, os manifestantes entraram na Assembleia, portando cartazes e usando sacos de papel na cabeça, onde alegavam estar “envergonhados” com a suposta corrupção dentro do Executivo estadual.


No início da manhã, diversos monumentos de Porto Alegre e do vizinho município de Canoas amanheceram cobertos com capuzes, onde se lia “Deputado Coffy nos deixa cobertos de vergonha – está do lado da corrupção – Fora Yeda/Impeachment Já”. Cartazes também foram colocados nas ruas dos dois municípios. À tarde, o Fórum dos Servidores Públicos Estaduais entregou um documento ao presidente da Assembleia, deputado Ivar Pavan (PT), exigindo o afastamento do deputado Coffy da relatoria da CPI da Corrupção. Coffy e os demais deputados governistas que participam da CPI são acusados pelos manifestantes de tentar dificultar as investigações sobre o desvio dos R$ 44 milhões do Detran. Até agora, os oito governistas têm boicotado as reuniões da CPI convocadas pela presidenta Stela Farias, impedindo a votação de todos os requerimentos.

Fonte: Jornal Agora