É alto o investimento em bandas que se propõem a fazer sucesso

No Ceará existem pelo menos 400 bandas de forró entre profissionais e amadoras. Destas, 45 são profissionais, com CDs e DVDs gravados, presença constante na mídia e devidamente representadas por empresários, de acordo com o relatório “Arranjo Produtivo do Forró em Fortaleza”. A pesquisa de campo para o relatório foi feita em 2008, sendo que na época, desse total, 24 bandas pertenciam a apenas nove empresários. E no forró, o papel do empresário tem sido decisivo para injetar dinheiro nas bandas com potencial de fazer sucesso.

De acordo com empresários ouvidos pelo O POVO, para montar uma banda é necessário o investimento de pelo menos R$ 300 mil para a compra de equipamentos, instrumentos – é comum que os instrumentos sejam do dono da banda e não dos próprios músicos – e um ônibus para baratear a logística de transporte do grupo. Mas não basta fazer tanto investimento sem uma visão geral do mercado. “A área de entretenimento é de extremo risco, seu funcionamento é bastante complexo e exige um conhecimento aprofundado do mercado que está em constante mudança”, explica Angelo Roncalli, um dos diretores da A3 Entretenimento, hoje a maior do Estado no gerenciamento de bandas de forró, como Aviões do Forró e Forró do Muído.

O relatório aponta que, do ponto de vista da mobilização de ativos, pode-se fazer um cálculo parcial com base nos investimentos realizados na montagem das bandas. Levando em conta que cada banda demanda, em média, R$ 35 mil para compra de equipamentos, as 45 maiores bandas do Estado chegam a movimentar cerca de R$ 1,5 milhão só com esta finalidade. Os valores vão depender, claro, da quantidade e da qualidade desses equipamentos.

A pesquisa indica que praticamente todas as grandes bandas possuem ônibus próprio. Há bandas que possuem ônibus no valor de R$ 700 mil, como é o caso da Aviões do Forró e Mastruz com Leite. Mas há bandas que possuem ônibus no valor de R$ 250 mil. Considerando uma média de valor em torno de R$ 300 mil, o total mobilizado pelas 45 bandas maiores bandas chega a R$ 13,5 milhões.

Lucro –  A organização do lucro negócio forró vai além dos cachês pré-fixados. Muitos empresários preferem fechar shows com a participação na renda da bilheteria e em alguns casos até mesmo na renda do bar. É a chamada “festa bancada”, com lucros divididos entre os donos das bandas e os donos das casas de shows. Mas falando especificamente de cachês, o relatório aponta que do ponto de vista da renda há uma grande variedade de preços cobrados, que oscilam entre o mínimo de R$ 500 e o máximo de R$ 80 mil (podendo aumentar de acordo com o tipo de evento e distância).

Fazendo um cálculo “conservador”, como diz o coordenador do relatório, Jair do Amaral Filho, imaginando que cada banda realize uma apresentação por semana, ou quatro apresentações por mês, as 45 maiores bandas mobilizariam mensalmente mais de R$ 1,3 milhão. “Com certeza uma cifra muito abaixo do real”, pontua Jair.

NÚMEROS

1. 400
É A QUANTIDADE DE BANDAS PROFISSIONAIS E AMADORAS PELO ESTADO.

45
SÃO AS PRINCIPAIS BANDAS DE FORRÓ DO ESTADO, APROXIMADAMENTE

Fonte: O Povo Online