O empresário Fábio Pereira Melgar, 29, detido na manhã deste domingo após ser identificado como o motorista de uma BMW que atropelou e matou um pedestre na zona leste de São Paulo, foi liberado no início da tarde após prestar depoimento e pagar fiança de R$ 1.200.

A Secretaria de Segurança Pública informou que Melgar foi autuado em flagrante por homicídio culposo (quando não há intenção de matar) agravado por omissão de socorro, fuga do local do acidente e desacato a autoridade. Ele é suspeito ainda de embriaguez ao volante. O empresário responderá aos crimes em liberdade.

Segundo informações do boletim de ocorrência, testemunhas contaram à polícia que o empresário atropelou o pedestre após ultrapassar um farol vermelho na altura do número 2.300 da avenida Itaquera, por volta das 4h20, arrastando a vítima por dezenas de metros. Ele não prestou socorro e fugiu do local. O pedestre morto, identificado como Adriano da Fonseca Pereira, tinha 20 anos.

Um taxista que presenciou o atropelamento ligou para a PM informando da ocorrência. Policiais militares realizaram buscas e encontraram o empresário em sua casa. Aparentando sinais de embriaguez, segundo a PM, Melgar ofendeu os policiais e agrediu um deles com um soco no rosto. Após se negar a entrar na viatura, ele foi algemado e levado ao 66º Distrito Policial (Vale do Aricanduva).

À polícia, o empresário disse que havia saído de uma formatura aonde bebeu somente coquetéis sem álcool. Afirmou que não parou no momento do atropelamento pois sua namorada –que também estava no carro– estava suja de sangue e ele não sabia se o sangue era dela ou do pedestre atropelado.

Melgar afirmou ainda que os policiais militares invadiram sua residência, jogaram gás [de pimenta] em seu rosto e o algemaram sem necessidade. A Secretaria de Segurança Pública não soube informar se ele já tem advogado.

A secretaria também não soube informar se o empresário forneceu sangue para exame de medição de teor alcoólico.

Fonte: Folha Online