FORTALEZA – A epidemia de gripe A H1N1 não atrapalhou os planos de férias dos turistas estrangeiros no Ceará. Uma italiana confessa que, no começo, ficou preocupada, mas não desistiu da viagem. Um turista espanhol diz que não se impressionou. A região registrou apenas quatro, das mais de 400 mortes ocorridas no país.

Os estrangeiros ocupam 60% dos apartamentos de um hotel em Fortaleza. Todas as dependências são desinfetadas constantemente.

– Ficamos com mais medo do que eles, com mais receio – conta a subgerente do hotel, Kátia Cilene.

Segundo a secretaria de Turismo do Ceará, no mês passado, houve aumento de 4% no número de visitantes de outros países em relação a julho do ano passado. Fortaleza, que tinha apenas voos da Europa, passou a receber, inclusive, a receber um voo direto dos Estados Unidos.

– No momento em que se vê na Europa um momento de crise, para nós, no Ceará, houve um crescimento real do fluxo de turistas estrangeiros da Europa e dos Estados Unidos – diz o secretário Bismark Maia.

E o movimento de estrangeiros não é grande só no Ceará. De acordo com a Polícia Federal, o Brasil também recebeu mais estrangeiros em julho. Foram 268.960 visitantes – quase 6% a mais que no mesmo período do ano passado. O que eles procuram por aqui? A turista que acaba de chegar dá uma pista:

– Não fazer nada. Se desconectar – diz.

Fonte: O Globo Online