Se os integrantes das tribos Manibu e Taiba experimentam os extremos do corpo e da mente em busca do prêmio de R$ 500 mil em “No limite”, Zeca Camargo também fica longe do clima de férias em sua passagem pelo litoral do Ceará. As horas de descanso são raras e quase sagradas para o apresentador do reality show da Globo.

— Não tem rotina, cada dia é uma coisa numa hora diferente. Geralmente gravamos de manhã e usamos a tarde para editar e gravar chamadas. Por volta das 22h já estou na cama. Os dias de portal são os piores, quando vou dormir lá pelas duas e meia da manhã — conta Zeca.

Mesmo com tanta ralação, ainda sobra tempo para se manter em forma.

— Acordo cedo para correr na praia. Tenho que me cuidar para aguentar o pique — diz ele, que não dispensa o filtro solar: — Uso fator 50!

Zeca encara com humor alguns dos perrengues da vida ao ar livre: — Não tenho problema com insetos. Costumo brincar que tenho sangue ruim, porque eles não chegam perto de mim.

Ovo galado no cardápio –

E o público nem desconfia de que Zeca Camargo tem mais uma coisa em comum com os competidores. Ele faz a revelação ao comentar sobre a prova da imunidade que foi ao ar no último domingo, envolvendo iguarias nada apetitosas como peixe vivo.

— Não como nada daquilo, só mando comer. Jamais comeria olho de cabra! Mas o ovo galado já conhecia, comi nas Filipinas na época de “A fantástica volta ao mundo”. Não é bom, mas o sabor nem é o que mais preocupa. A consistência é estranha — conta ele.

Mas nem tudo é dureza para o apresentador. Diferentemente dos 14 participantes que ainda restam no reality, Zeca e toda a produção estão espalhados pelas confortáveis pousadas do litoral cearense:

— Estamos hospedados na região perto de Flecheiras e Mundaú, a cerca de duas horas de Fortaleza e a uns 45 minutos dos acampamentos.

Fonte: O Dia