Preocupado em distensionar o ambiente na América do Sul, Luiz Inácio Lula da Silva telefonou ontem ao presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, para convidá-lo a participar da próxima reunião da União de Nações Sul-Americanas (Unasul) na próxima sexta, em Bariloche (Argentina).

O objetivo é discutir o acordo com a Colômbia que prevê o aumento da presença militar americana naquele país. Lula sugeriu que os EUA deem garantias formais de que sua atuação ficará restrita ao território colombiano. Se aprovado, o tratado permitirá aos EUA manter 1,4 mil pessoas em bases na Colômbia por 10 anos. Trata-se, segundo EUA e Colômbia, da extensão do acordo de combate ao narcotráfico e às Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), com as bases sob controle colombiano.

Em outra investida diplomática, na visita hoje à Bolívia, Lula tratará com seu colega Evo Morales da retirada de brasileiros da zona de fronteira entre os dois países (50 km a partir da fronteira), do lado boliviano. Quem quiser auxílio financeiro terá de seguir para o departamento de Pando. Com essa ajuda, Lula evita a invasão de brasileiros em retorno ao Acre e permite a Morales resolver um problema pelo qual é cobrado.

Fonte: Zero Hora