A final do Festival de Quadrilhas do Nordeste aconteceu na noite deste sábado (27), em Eusébio, município da Região Metropolitana de Fortaleza (CE). A “Unidos em Asa Branca”, de Sergipe, foi eleita a melhor quadrilha de 2009. A pernambucana “Dona Matuta” levou o segundo lugar e outors dois prêmios: melhor marcador e destaque do festival, para o padre da quadrilha. Os jurados também escolheram o melhor casamento, que ficou com a “Zé Testinha”, do Ceará.

APRESENTAÇÕES – Dez quadrilhas de todos os estados do Nordeste passaram pelo palco montado no Ceará. Ao todo, foram mais de 600 participantes.

O estado da Bahia deu início às apresentações. A quadrilha “Sanfona de Ouro” mostrou a religiosidade do sertanejo e surpreendeu com a troca de figurinos: três modelos diferentes, terminando com o traje de gala para o casamento. A quadrilha “Rosa dos Ventos”, de Alagoas, também apostou na mudança de roupa, mas abusou do brilho e do colorido.

Em seguida, foi a vez do “Arraiá do Zé Testinha”, do Ceará. A campeã de 2008 brilhou com o sincronismo de coreografia, teatro e música. O estado anfitrião do festival também teve outro representantes, a quadrilha “Arraiá do Patativa”. O grupo homenageou os cem anos de nascimento do poeta Patativa do Assaré recitando e cantando suas músicas. Um sósia do artista popular estava presente e emocionou o público.

A Paraíba veio com a quadrilha “Fazenda Lampião”. O grupo lembrou a importância do homem do campo e usou roupas confeccionadas com o puro algodão.

De Sergipe, a quadrilha “Unidos em Asa Branca”, a grande vencedora da noite, realizou um casamento cantado. O estilo colonial dos homens e das mulheres, com vestidos de “sianinhas”, se misturou à moda do cangaço. Eles dançaram em vários ritmos regionais.

A quadrilha “Lua de Prata”, do Piauí, homenageou o Rei do Baião, Luiz Gonzaga, relembrando sucessos que marcaram época.

A representante de Pernambuco, a quadrilha Dona Matuta, foi o grupo com maior quantidade de integrantes. A festa do pau da bandeira inspirou o enredo.

A quadrilha “Encanta Natal, do Rio Grande do Norte, trouxe adereços que enfeitaram a apresentação. A apresentação teve muito brilho, cores, fitas e lenços, além de uma fogueira gigante, como se os brincantes se transformassem em alegoria.

Encerrou a noite a quadrilha “Zé Comeu”, do Maranhão. Uma noiva carismática foi o destaque. Os integrantes viajaram mais de trinta horas para participar do festival.

Fonte: http://pe360graus.globo.com/

Anúncios