MANAUS – O Rio Negro atingiu nesta quarta-feira a marca de 29,69 metros, o mesmo índice da cheia de 1953, a maior desde 1902, quando o nível das águas começou a ser medido. Segundo Alice Amorim, do Serviço Geológico do Brasil, a cheia deste ano será a maior da história porque as águas do Negro continuam a subir.

– Vai ultrapassar a de 1953, o rio não parou de subir, está subindo 2 centimetros por dia. O Rio Negro está em processo de inundação e só vai baixar quando o Rio Solimões também baixar – diz Alice.

De acordo com o Serviço Geológico do Brasil, a cheia desse ano é provocada por uma coincidência. A elevação de dois grandes rios ocorre ao mesmo tempo: o Rio Solimões que está no período final de cheia, ainda não iniciou sua vazante. Normalmente, ele represa o Rio Negro, que, este ano, continua a receber muita água da chuva que cai no Hemisfério Norte.

A cheia do Rio Negro causa transtornos aos moradores de Manaus. Nesta terça, o Instituto Municipal de Trânsito e Transporte Urbano interditou a avenida Eduardo Ribeiro, em frente ao Porto de Manaus, no centro da cidade.

A medida de emergência foi tomada depois que a água do Rio Negro inundou o local na área do Relógio Municipal, saída das galerias pluviais.

– Decidimos pela interdição para garantir, sobretudo, a segurança de quem passa nesta área. O fechamento da avenida vai vigorar enquanto a água não baixar – explicou Mauricio Reis, gerente de operações de trânsito do IMTT.

Se nos próximos dias voltar a chover o Terminal da Matriz poderá ser bloqueado. Segundo Reis, a água está a poucos centímetros de cobrir a pista do terminal. No estacionamento do prédio da Alfândega, que fica ao lado do terminal de ônibus, as águas já atingiram os pneus dos carros.

Ao todo, 18 mil pessoas já foram atingidas pela cheia em Manaus, segundo números da Defesa Civil do município. Várias famílias não quiseram ir para abrigos públicos.

Na Ponta Negra, uma das principais áreas de lazer da cidade, as praias sumiram com a cheia. A água invadiu a rua.

As águas do Rio Negro arrastam para as ruas e para dentro das casas o lixo acumulado nos igarapés. A Prefeitura de Manaus anunciou a retirada de 6 toneladas de lixo em maio.

Fonte: O Globo