Dez pessoas foram presas na terça-feira, 23, na Operação Estorno, da Polícia Federal do Ceará, com o objetivo de desarticular uma quadrilha especializada em crimes contra a ordem tributária, corrupção ativa e passiva dentre outros.

Segundo a assessoria da PF, as investigações, iniciadas há dois anos, revelaram o envolvimento de servidores públicos da Receita Federal, Secretaria da Fazenda e Junta Comercial do Estado do Ceará no grupo criminoso, bem como o proprietário e alguns empregados de um escritório de contabilidade, juntamente com um advogado e empresários. Além disso, estão sendo cumpridos, nos municípios de Fortaleza e Eusébio, 12 mandados de prisão temporária e 20 mandados de busca e apreensão expedidos pela Justiça Federal e Estadual.

Segundo as investigações, as atividades ilícitas eram efetuadas a partir da liberação ou redução de valores dos autos de infração, e ainda liberação de cargas sem trâmites tributários legais em favor das empresas envolvidas, mediante o recebimento de propina, via escritório de contabilidade. Os servidores públicos envolvidos omitiam a fiscalização e facilitavam a prática irregular.

As execuções das ordens judiciais estão sendo cumpridas em diversas empresas e escritórios envolvidos no esquema e nas residências dos investigados, envolvendo um efetivo de 100 policiais federais, 10 fiscais da Receita Federal e 06 fiscais da Secretaria da Fazenda do Estado do Ceará. Até o momento, encontram-se dez pessoas presas e dois foragidos, um empresário e um fiscal da SEFAZ/CE.

Os investigados poderão responder pelos crimes contra a ordem tributária, formação de quadrilha, corrupção ativa e passiva, tráfico de influência e violação de sigilo funcional.

Fonte: Redação O POVO Online

Anúncios