Alunos de Engenharia Elétrica da UFC estão entre os melhores no desenvolvimento de um conversor para sistema eólico. A premiação será em julho, na Austrália

O ano de 2008 foi cheio de desafios para um grupo de oito estudantes do curso de Engenharia Elétrica da Universidade Federal do Ceará (UFC). Eles desenvolveram, sob a orientação do professor Demercil de Souza Oliveira Júnior, um conversor capaz de extrair o máximo de energia elétrica proveniente de um sistema eólico de pequeno porte e se inscreveram no 2009 International Future Energy Challenge (IFEC 2009), uma competição organizada pelo respeitado Institute of Electrical and Electronics Engineers (IEEE).

Durante todo o ano, a equipe trabalhou no planejamento, simulação, implementação e análise de custos do equipamento. Resultado: o projeto foi escolhido juntamente com outras onze equipes do mundo todo. A única equipe da América Latina selecionada.

De acordo com Pedro André Martins Bezerra, um dos alunos finalistas, o conversor desenvolvido é viável para ser aplicado na prática. Custa menos de 20 dólares com capacidade para durar pelo menos 20 anos. “É um conversor para sistemas eólicos de pequeno porte. Para regiões isoladas, como muitas que existem no Ceará, esse sistema é adequado”, explica Pedro.

Ao logo da pesquisa, o IEEE acompanhou a produção dos estudantes através de relatórios periódicos. O projeto foi apresentado no The 2009 Applied Power Eletronics Conference and Exposition em Washington, Estados Unidos. “O nosso conversor foi apresentado à comunidade científica e foi considerado inovador”, conta Pedro complementando que nesse caso a viagem de um dos estudantes e do orientador foi custeada pela organização do evento.

Austrália – O desafio maior do grupo finalista entre equipes americanas, alemãs e chinesas ainda está por vir. A final da competição ocorre nos próximos 14 de 15 de julho, na Austrália, mas até agora não há recursos suficientes para custear a viagem da equipe que irá representar o Brasil. “Estamos tentando nos reunir com o Reitor. Mas até agora não conseguimos. Soubemos que a Universidade pode colaborar com, no máximo, R$ 630”, diz Pedro.

Até o momento, os estudantes conseguiram apenas o patrocínio da Federação das Indústrias do Ceará (Fiec), que doará duas passagens aéreas. Mas é preciso mais.

E até lá, a história dos meninos pesquisadores espera por um final feliz. De preferência rumo a Austrália.

SERVIÇO :  Quem quiser colaborar com a viagem dos jovens pesquisadores deve entrar em contato com o professor Demercil no 3366.9583.

Fonte: O Povo Online