A compra do banco Ibi, ligado à rede varejista C&A, por R$ 1,4 bilhão, deverá garantir ao Bradesco crescimento dentro da média do segmento neste ano. Segundo Marcelo Noronha, diretor-geral do Bradesco Cartões, as projeções são de expansão de 16% no faturamento com cartões do banco neste ano.

“A nossa expectativa é que acompanhemos o crescimento do mercado em termos de faturamento, que estava na média de 20% ao ano. Houve uma pequena desaceleração e a previsão é de que o mercado de cartões cresça em torno de 16% neste ano. Imaginamos que vamos acompanhar esse crescimento”, garantiu, durante teleconferência sobre a aquisição do Ibi, nesta sexta-feira (5).

De acordo com comunicado enviado ao mercado, no final do ano passado, o faturamento do Bradesco com cartões bandeirados e private label (emitidos por uma rede varejista) ficou em R$ 46,6 bilhões. Já o Ibi teve faturamento de R$ 9,9 bilhões no mesmo período.

Segundo Noronha, a aquisição deve ampliar a participação do Bradesco no segmento cartões em até 2,5%, excluindo o private label. “Nosso share foi de 19,3% em relação a cartão de crédito e pré-pago. A gente vai crescer de 2% a 2,5% e ficar com um share próximo de 22%”, afirmou, destacando que o share “não norteou a decisão da aquisição”.

O diretor-geral do Bradesco Cartões apontou que a ampliação dos canais de distribuição e a proximidade da relação com os clientes foram os fatores que mais atraíram o Bradesco. Noronha disse que o banco “namorava há tempos” o Ibi. Atualmente, a C&A e o Ibi contam com 303 pontos de vendas em todo o país. “Sempre entendemos que trata-se de um grande canal distribuidor e que tem uma excelente relação com o público.”

Noronha assegurou que o negócio não é uma resposta à recente onda de fusões e aquisições observada no mercado bancário e destacou que a compra do Ibi se enquadra a “uma estratégia adotada desde 2004”. Ele garantiu, ainda, que o banco segue observando o mercado em busca de novas aquisições.

“O Bradesco sempre está olhando as oportunidades de mercado. Temos uma estratégia adotada desde 2004 e esse é um processo dinâmico. Sempre buscamos oportunidades de crescimento para ganhar escala, irmos ao encontro dos clientes e fazer como que reforcemos o posicionamento histórico de ser um banco para todos”, concluiu.

Com o acordo, o Bradesco passará a ter 34,1 milhões de cartões private label e 31,8 milhões de cartões bandeirados. O negócio ainda depende da aprovação das autoridades competentes e, segundo Noronha, ainda não há um prazo para a liberação oficial.

Fonte: Ultimo Segundo