O governador do Piauí, Wellington Dias (PT), vai a Brasília na próxima terça-feira apresentar à Secretaria Nacional da Defesa Civil um relatório parcial sobre a área ao norte do Estado atingida pelo rompimento da barragem Algodões I. O documento vai conter uma lista do que precisa ser reconstruído na região. Dias reuniu-se hoje com prefeitos dos dois municípios arrasados pelas águas e os orientou sobre como organizar documentos para que o Estado possa pedir auxílio ao governo federal.

A barragem cedeu na quinta-feira, deixando sete mortos, 2 mil desabrigados, 973 desalojados e 80 feridos. As buscas por desaparecidos continuam. Na reunião de hoje, o prefeito de Cocal da Estação, Fernando Sales, informou que há 23 comunidades atingidas, sendo 14 isoladas. A prefeita de Buriti dos Lopes, Ivana Fortes, estimou que haja 450 famílias atingidas, 250 desalojados e 150 casas destruídas.

Dias determinou a criação de um grupo de trabalho com representantes da comunidade e das três esferas de poder, para fazer uma avaliação técnica do incidente. O Instituto de Desenvolvimento do Piauí (Idepi), responsável por áreas de barragem, coordenará o trabalho e uma técnica indicada pelo governo federal prestará assessoria à equipe. “Não vamos tomar nenhuma decisão sem ouvir a comunidade”, afirmou Dias por meio de nota. O coordenador da Defesa Civil em Cocal, Alexandre Lucas, sugeriu a formação de três grupos para atuar nas áreas de soluções emergenciais, infraestrutura e suporte às famílias.

A Defesa Civil Municipal de Buriti informou há pouco que mais de 200 famílias estão abrigadas em colégios e casas de acolhida. As equipes de resgate e atendimento à população são formadas por integrantes do Corpo de Bombeiros, da Defesa Civil e por assistentes sociais. A assistência social faz ainda entrevistas com as famílias atingidas pela tragédia. As informações devem constar do formulário que será levado pelo governador do Estado a Brasília.

Fonte: Noticias Uol

Anúncios