No último dia 21, foi assinado em Recife o convênio de apoio à cultura entre o Banco do Nordeste (BNB) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) no valor de R$ 12 milhões a serem investidos ao longo de 2010 e 2011 em toda a região Nordeste, além do norte de Minas Gerais e do Espírito Santo. Serão R$ 3 milhões proveniente de cada banco em cada ano, equivalendo ao importe de R$ 6 milhões anuais. O programa de incentivo será realizado mediante seleção pública de projetos. O edital já se encontra disponível no Portal do BNB (www.bnb.gov.br). A partir do próximo dia 2 de junho, será iniciado o ciclo de oficinas de preparação de projeto que ocorrerá até o final do mês em mais 43 cidades, quando iniciam as inscrições, dia 29 de junho.

Além do edital do BNB e do BNDES, foi apresentado e discutido também no evento Editais de Cultura, que aconteceu em Recife reunindo representantes do Ministério da Cultura, empresas públicas, privadas e interessados no tema o programa de microprojetos de incentivo à cultura em regiões do semi-árido entre um e trinta salários mínimos com o investimento total de R$ 15milhões. Cada estado terá até o dia 21 de junho para redesenhar o edital apresentado no seminário, adequando à realidade local de cada região. Os estudos preliminares da pernambucana Tânia Bacelar para o desenvolvimento do Nordeste através da cultura 2009 – 2020 também foram apresentados e debatidos no Seminário. A economista se baseia nos estudos de Celso Furtado para a execução de um plano estratégico através da cultura.

O dinheiro destinado a cultura através dos editais do BNB desde 2005 dobrou com a parceria do BNDES. No ano passado, com o investimento de R$ 3 milhões, o BNB atendeu a 8% da demanda de R$ 45 milhões apresentados em projetos. De acordo com Henilton Menezes, gerente de cultura do Banco do Nordeste, esse convênio poderá suprir a demanda em até 15%. “Admitamos que 30% do valor apresentado nos projetos sejam avaliados como aptos para realização – acho um número ainda conservador – mas estaríamos suprindo metade dela”, declarou em entrevista por telefone.

Ele ainda disse que durante o Seminário a assinatura do convênio despertou o interesse de outras empresas em se tornar parceiras nos editais de incentivo à cultura junto ao BNB. O presidente da Companhia Hidro Elétrica de São Francisco (Chesf), por exemplo, colocou-se a disposição para discutir e levantou a possibilidade em aderir ao convênio para o edital de 2010. “Se nós temos estrutura para fazer um edital de R$6 milhões, porque não de R$ 9 milhões ano que vem?”, questiona otimista o gerente de cultura do BNB Henilton Menezes.

O incentivo do BNDES e estas iniciativas que abrem o diálogo com outras empresas para aumentar a verba destinada aos editais de incentivo à cultura, em especial, no Nordeste junto ao BNB vêm diminuir a diferença gritante que havia entre as regiões, especificamente dos editais do Sul e Sudeste.

Fonte: O Povo