O desemprego na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) chegou a 12,6% da População Economicamente Ativa (PEA) em abril. O número representa uma queda de 0,2 ponto percentual em relação a março, quando a taxa ficou em 12,8%. O resultado de abril é equivalente a 210 mil pessoas desempregadas. Quarenta e oito semanas é o tempo médio que uma pessoa passa procurando por emprego na Grande Fortaleza, duas semanas a mais do que registrado no mês anterior.

Mas, segundo Mardônio Costa, analista do mercado de trabalho do IDT, a queda no desemprego total foi influenciada principalmente pela diminuição de pessoas que não estão à procura de trabalho, a taxa de desemprego oculto caiu de 5,4% em março para 5% em abril. Em contrapartida a taxa de desemprego aberto, relativa às pessoas que procuravam trabalho de maneira efetiva nos últimos 30 dias anteriores à pesquisa cresceu de 7,4% para 7,6%.

“O desempenho vem dos efeitos sazonais do começo do ano que afetam normalmente o mercado de trabalho”, diz Mardônio Costa. Em contraponto, os resultados da pesquisa já apontam uma estabilização no nível de ocupação, que em abril registrou 1.460 ocupados.

Setenta e oito mil postos de trabalho foram fechados do começo do ano até abril. A Construção Civil foi o setor que mais demitiu, com sete mil desligamentos. Já os setores comércio e serviços, com mil e nove mil, respectivamente, foram os que mais geraram postos de trabalho. Para Mardônio, a pressão menor da taxa de participação e estabilização registrada no mês é o indicio que em maio e junho haverá uma retomada de ocupação.

Por Michel Vitor – Jornal O Povo

Anúncios