Ministro Joaquim Barbosa
Ministro Joaquim Barbosa

Protagonista da polêmica da semana ao bater boca com Gilmar Mendes no STF, ministro foi parado e cumprimentado várias vezes nas ruas do Rio de Janeiro, ontem. Mendes, que não cumpriu agenda pública, recebeu nota de solidariedade da cúpula nacional do DEM. O presidente Lula lamentou o episódio

 

O ministro Joaquim Barbosa passou ontem por um teste da popularidade após ter protagonizado, no Supremo Tribunal Federal (STF), um bate-boca com presidente da Corte, ministro Gilmar Mendes, na última quarta-feira (22). Ao almoçar no Rio de Janeiro com três amigos e, depois, caminhar pelas ruas da cidade no início da tarde, Barbosa foi reconhecido e muito cumprimentado por cidadãos anônimos. Procurado pela agência Estado por telefone, o ministro desconversou sobre a reação do público: “Não tem nada disso não, deixa pra lá.”

Quem estava no centenário Bar Luiz, na Rua da Carioca, no centro da cidade, viu Barbosa ser cumprimentado por diversas pessoas que almoçavam no restaurante por volta das 14h30min, quando ele e três amigos deixavam a casa. Alguns dos presentes acenaram de suas mesas. Em pelo menos duas mesas que estavam no caminho por onde ele passou para sair do restaurante, o ministro foi obrigado a parar para ouvir cumprimentos como “Parabéns, ministro”.

Barbosa chegou ao restaurante às 13 horas e almoçou um filé com salada de batatas, acompanhado de pelo menos dois chopes, como relataram garçons que atendiam outros fregueses. Na saída, foi cumprimentado pelo gerente do turno, Raimundo Gomes, com 36 anos de casa, e pela dona do bar, Rosana Santos. Fundado ainda no Império, em 1887, o Bar Luiz é um dos mais tradicionais pontos de encontro dos cariocas. Suas especialidades são comida alemã e chope.

Os elogios se repetiram no trajeto que ele fez do restaurante à avenida Rio Branco – cerca de dois quarteirões – onde entrou no carro oficial. Ele chegou a ser parado por populares e foi até fotografado com celulares, conforme relatou a coluna Radar online, da revista ‘Veja’. À tarde, esteve com colegas da Procuradoria da República. Um deles garantiu que ele “está bem, feliz e sem nenhum arrependimento”.

Solidariedade – Gilmar Mendes, que protagonizou o bate-boca com Gilmar Mendes, não teve atividade pública ontem. Quem sau em sua defesa foi a Executiva Nacional do DEM, que divulgou nota oficial em que lamenta o episódio e diz que o presidente da Corte “cumpre com rigor e responsabilidade institucional o papel de guardião da Constituição e do Estado de Direito”.

O presidente do DEM, Rodrigo Maia (RJ), disse que Mendes não deve ser alvo de agressões dos demais ministros da Corte. “[…] A crítica faz parte da democracia que soubemos construir, mas pontos de vista divergentes devem ser expostos em clima de respeito e moderação.”

Maia afirma, na nota, que Mendes está empenhado no aperfeiçoamento jurídico do país. Segundo o presidente do DEM, Mendes tem sido um “exemplo de homem público que age com correção e profunda consciência institucional apesar de “obstáculos” enfrentados na presidência do STF”.

Fonte: O Povo

Anúncios