O festival de irrelevâncias que assola a mídia só é relevante pela dimensão. Ontem, o Globo abre manchete para o desvendamento do caixa dois de políticos. Um assessor do senador Gerson Camata, do Espírito Santo, dizendo que funcionários assinavam notas para justificar despesas bancadas pelo Congresso. Virou manchete principal, algo que Daniel Dantas jamais conseguiu no jornal nos últimos doze meses.

O Estadão dizendo que agora Protógenes está perdido m-e-s-m-o porque descobriram que ele viajou para palestras com passagens da cota do PSOL. A Folha volta com gastos com assagem de avião pelo TCU – como se fiscalização de obras pudesse ser feito de forma virtual.

O que é essa mixaria perto dos acordos que estão sendo fechados entre governos estaduais e editoras jornalísticas, forma direta de comprar apoio ou proteção? , falta de vontade de pesquisar? Que nada, o material sobre Daniel Dantas está dando sopa. Esse pessoal consegue fazer alarde até em relação a fotos pornôs em computadores de agentes da ABIN e são incapazes de pesquisar a grande corrupção nacional.

Esse tipo de retórica tende a se esvaziar à medida que os leitores passam a entender melhor o jogo. A escandalização do irrelevante, da tapioca, da passagem aérea, em um momento em que as grandes mazelas nacionais estão aí, documentadas, sob inquérito, é a maneira torta de tentar convencer o leitor sobre o papel fiscalizador da imprensa, liberando-a para o jogo.

Fonte: http://colunistas.ig.com.br/luisnassif/