Para quem vai viajar para o litoral oeste de Fortaleza e se utilizar do pedágio da ponte do Rio Ceará, cuidado, já parou e pensou para que serve o tal pedágio?


Não diga que é para a melhoria da ponte ou para dar segurança para quem se utiliza da ponte. Tudo mentira, papo furado dos “donos” da ponte e demais apreciadores do passe cobrado. Construída com o soado dinheiro público (nenhum centavo da iniciativa privada) a mais de dez anos, a ponte do Rio Ceará é uma das maiores pontes erguidas no Ceará. Suas dimensões ligam à capital (Fortaleza) a Caucaia (cidade vizinha). Tornou-se um dos cartões postais mais belos da cidade. Há dez anos foi entregue (de graça) a iniciativa privada para cobrar pedágio dos abestados motoristas que pagam freqüentemente para poder passar pela ponte. O problema é que o percurso pela ponte do Rio Ceará encurta a distância de muita gente, além de reduzir drasticamente o caótico transito da capital cearense.


A empresa responsável por colher obrigatoriamente milhares de cédulas dos contribuintes lesados não se presta a pelo menos dizer que ali se faz alguma coisa (esclarecer e criar uma espécie de balanço do que já se fez e se pretende fazer para melhorar o serviço de passagem do rio Ceará pela ponte). As únicas melhorias vista até hoje (depois de 10 anos) foi nas cabines para se cobrar o pedágio (além das cancelas que forçam a parada dos veículos para se cobrar a passagem). Arrecadam milhares de reais e dividem em porcentagens entre a prefeitura de Caucaia, a prefeitura de Fortaleza e o largo bolso da concessionária “dona” da ponte vergonha cearense.


É importante frisar que a validade do prazo para exploração do que era para ser um serviço a população venceu este ano. Existiu um prenuncio de conflito referente a cobrança, mas logo a justiça concedeu para que a exploração ao bolso do cidadão que transita na ponte continuasse na zorra do pedágio, sem a fiscalização do que se faz com o dinheiro arrecadado.


A encarregada pela cobrança dos motoristas nem ao menos se interessa em fazer uma pintura nas paredes da ponte (todas pinchadas), muito menos dar segurança para quem transita na ponte. A pergunta que perturba é para onde vai o dinheiro cobrado no pedágio da ponte? Não vai para fazer melhorias a ponte. Então o dinheiro arrecadado pelos bobos motoristas vai fazer luxar a vida de quem? Enquanto isso, a ponte fica a mercê do tempo, do desgaste, dos criminosos e pichadores. Ache bom ou ruim, é muito fácil ganhar dinheiro nesta modalidade de assalto ajuizado, é isto!

 

Fonte: http://rastreadoresdeimpurezas.blogspot.com/