Porto Alegre – Um grupo de deputados estaduais vai tentar acesso às provas em poder do Ministério Público Federal que, supostamente, envolvem o governo Yeda Crusius. O assunto foi tratado ontem (25), na Assembleia Legislativa, depois de o PSOL denunciar atos de corrupção envolvendo integrantes do atual governo. As provas estão em poder da Justiça Federal de Santa Maria, onde tramita o processo da Operação Rodin. A Mesa da Assembleia deverá tratar do tema em reunião na terça-feira (2).

 

O deputado Gilmar Sossella (PDT), que tomou a iniciativa de reunir os deputados para definir uma posição, entende que “o direito da sociedade está acima do direito individual”, defendendo o acesso às provas que envolvem integrantes do atual governo e a própria governadora Yeda Crusius. “O sigilo, nesse caso, já cumpriu sua finalidade, os fatos são graves e o Legislativo não pode silenciar”, afirmou Sossella durante a reunião com a deputada Luciana Genro, o vereador Pedro Ruas e o presidente estadual do PSOL, Roberto Robaina, e os deputados Paulo Azeredo (PDT), Dionilso Marcon (PT), presidente da Comissão de Direitos Humanos, o líder da bancada do PT, Elvino Bohn Gass, e o deputado Raul Pont (PT).

 

Por sugestão da deputada Luciana Genro, o grupo parlamentar vai entrar em contato com o superintendente da Polícia Federal, Ildo Gasparetto, para acompanhar os desdobramentos da morte do ex-chefe da representação gaúcha em Brasília, Marcelo Cavalcante, morto em Brasília em circunstâncias ainda não esclarecidas. Ele deveria depor nos próximos dias na Justiça Federal sobre o caso Detran.

 

Fonte: Jornal Correio de Noticias

Anúncios