O DEM, o ex-PFL da ditadura militar, representa o que há de mais direitista e mais fisiológico na política brasileira. É o partido da oligarquia conservadora e patrimonialista, que abraçou as teses neoliberais ao aliar-se com os “modernos” rentistas do PSDB. É o partido do castelo suntuoso do deputado mineiro Edmar Moreira, que atormentou presos políticos no passado e que hoje furta as contribuições previdenciárias de funcionários de suas firmas e sonega impostos para erguer a sua fortuna. É o partido do prefeito Gilberto Kassab, marionete do presidenciável tucano José Serra, que realiza licitações irregulares e serve merendas estragadas às crianças nas escolas municipais.

Na fase recente, esta marca indelével dos demos ficou ofuscada. A mídia venal, principalmente a partir da chamada “crise do mensalão”, detonada em 2005, procurou vender a idéia de que toda a política é suja, espalhando o ceticismo e livrando a cara dos corruptos endêmicos. Ninguém ficou imune. Partidos de esquerda, sindicatos e movimentos sociais foram lançados no monturo. Erros foram cometidos, é verdade. Mas nada se compara à ação antiética dos demos. A corrupção está no seu DNA. Agora, porém, a sujeira volta à tona, como a lama das enchentes em São Paulo, que a mídia hegemônica também tenta esconder para blindar a imagem do presidenciável tucano.

A trajetória sinistra dos demosO caso Edmar Moreira é exemplar da trajetória sinistra dos demos. Como capitão da PM mineira na época da ditadura, ele ficou conhecido pelos óculos ray-ban com que ingressava nas celas dos presos políticos aos berros de “levanta comunista”, segundo recordação do engenheiro ambiental Rogério Teixeira. Na seqüência, mudou-se para São Paulo e fundou sua empresa de segurança – hoje, possui três firmas. Na época, um dossiê entregue à Polícia Federal denunciou o empresário por não pagar o FGTS dos funcionários e por sonegação do Imposto de Renda e do INSS. Edmar ingressou na política pelas mãos dos coronéis do ex-PFL; elegeu-se deputado federal pelo PRN de Collor de Mello; migrou para o PPB de Maluf; e retornou ao PFL, hoje DEM.

Em 1999, a revista Veja denunciou o bizarro enriquecimento do político mineiro – depois, na sua obsessão em atacar o presidente Lula, ela esqueceu o passado dos demos, agora seus aliados na oposição raivosa ao governo. Segundo a reportagem, o deputado “é proprietário de um fabuloso castelo no interior de Minas Gerais. São 7,5 mil metros quadrados de área construída (maior que o Castelo de Neuschwanstein, nos Alpes da Baviera, que inspirou o castelo da Cinderela de Walt Disney), 32 suítes, dezoito salas, oito torres, 275 janelas, piscina com cascata, fontes e espelhos d’água… Estima-se que, em doze anos de obras, a construção tenha consumido 10 milhões de reais – mais do que o preço de muitos castelos de verdade no interior da França”.

Expulsão e desculpa esfarrapadaEm entrevista à TV Globo na última  segunda-feira, o presidente dos demos, Rodrigo Maia, jurou que desconhecia o passado sujo do parlamentar e anunciou sua expulsão do partido. Como leitor assíduo da Veja, a desculpa é esfarrapada. Há muito se sabia da existência do Castelo Mona Lisa, da sonegação dos impostos, da apropriação das contribuições previdenciárias dos funcionários de suas firmas de segurança e de outras maracutaias de Edmar Moreira. O risco desta mentira é que venham a público as fotos dos freqüentadores deste palácio medieval na Zona da Mata de Minas.

Um ex-servente do castelo revelou ao jornal mineiro O Tempo que “o local era freqüentado por muitos políticos e empresários”. Também disse que o castelo servia para jogos ilegais, com caça-níquel, roleta e bilhar. “Tinha um imenso cassino construído perto da torre principal do castelo”. Lembra ainda que, no final dos anos 90, “o que impressionava era a quantidade de dinheiro que os convidados perdiam. Eram notas de R$ 50 e R$ 100. O que também atraia os convidados era a adega. Tinha umas 8 mil garrafas. Uma adega enorme, climatizada. [Edmar Moreira] dizia que o vinho sempre tinha que ficar em temperaturas européias”. Ai se uma foto dessas aparece!

Restos estragados para os trabalhadores –Na mesma semana em que desmoronou o castelo do demo, outra notícia desnudou o verdadeiro caráter desde partido elitista e direitista. O Ministério Público denunciou empresas fornecedoras de merenda escolar à prefeitura da capital paulista por formação de cartel para vencer licitações e pagamento de propinas aos gestores de Gilberto Kassab. A Comercial Milano, uma das empresas envolvidas, possui antigos e estranhos vínculos com o DEM. Em 2006, ela foi alvo de uma CPI na Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro por praticar os mesmos crimes na gestão César Maia – pai do atual presidente dos demos. Desgastada na capital carioca, mudou-se para São Paulo.

Reportagem do Jornal da Record revelou que as refeições servidas às crianças paulistas são de péssima qualidade, feitas com alimentos podres e armazenados em áreas sem qualquer higiene. Uma cozinheira entrevistada disse que tudo é feito para reduzir o custo das merendas escolares; ela trabalha com uma máquina de calcular, selecionando os mantimentos de pior qualidade. Este é o mundo perfeito dos demos, por muito tempo ofuscado pela mídia hegemônica: restos para os filhos de trabalhadores na periferia, já que os neoliberais detestam qualquer a “gastança social”, e suntuosos castelos para os políticos corrompidos e os empresários corruptores.

Texto escrito por Altamiro Borges

Fonte: http://www.correiodobrasil.com.br/noticia.asp?c=149693