O governo brasileiro discute a ampliação do limite de valor dos imóveis que podem ser financiados pelo Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) dos atuais R$ 350 mil para R$ 500 mil, dentro de um pacote voltado para o setor da construção civil, que sofre desaceleração com a crise financeira. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

Segundo a publicação, a medida ainda encontra resistência dentro da Caixa Econômica Federal, que controla o FGTS e teme o aumento dos saques em um período de incertezas globais. A Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip) havia proposto ao governo um teto de R$ 800 mil para os financiamentos.

O banco federal já informou que destinará em 2009 pelo menos R$ 4,5 bilhões de recursos do fundo para o financiamento da casa própria de famílias com rendimento mensal bruto de até R$ 1.875, e um valor máximo de R$ 2 bilhões para famílias com renda superior a R$ 3,9 mil. O montante faz parte de um total de R$ 14 bilhões, que serão distribuídos também para programas de saneamento básico e infra-estrutura urbana.

De acordo com o jornal, o déficit habitacional das famílias com renda superior a R$ 2 mil representa apenas 4% do total e 29% da demanda futura. No entanto, o interesse do governo seria unir o interesse das construtoras e dos bancos.

Fonte: Portal Terra