O Exército israelense dividiu a faixa de Gaza em três ao iniciar uma nova fase da invasão terrestre que consiste na busca e destruição da “infra-estrutura terrorista” no território palestino, informaram fontes militares.

A nova etapa baseia-se na busca de esconderijos de armas e milicianos, após uma noite em que a Aviação israelense bombardeou cerca de 30 alvos em Gaza.

Fontes palestinas e egípcias confirmaram o envio de uma delegação do movimento islâmico palestino Hamas ao Cairo hoje à noite que se reunirá com autoridades egípcias na terça-feira. O objetivo do encontro é analisar como conter os ataques israelenses. De acordo com a rede catariana “Al Jazira”, a delegação será liderada por dois dirigentes do Hamas, Imad al-Alami e Mohammed Nasr.

Desde o domingo, pelo menos nove civis palestinos morreram por causa do fogo israelense: um casal e cinco filhos que moravam no campo de refugiados de Shati, e um idoso e seu neto no bairro de Zeitoun, ambos em Cidade de Gaza, informou à Agência Efe o diretor-geral do Hospital Shifa, Hassan Yalaf. De acordo com fontes médicas palestinas, 23 civis morreram nos ataques desta segunda-feira.

De madrugada, a Força Aérea atacou uma mesquita e diversos túneis subterrâneos na fronteira com o Egito, enquanto os navios de guerra destruíram edifícios litorâneos do Hamas e um bunker onde estariam armazenados foguetes palestinos, afirmou o Exército, em comunicado.

Incursão terrestre – O número de mortos nas primeiras 48 horas de incursão terrestre na Faixa de Gaza ronda os 60. Do lado israelense, um soldado morreu ontem em enfrentamentos com milicianos no campo de refugiados de Jabalya, no norte da faixa de Gaza.

As tropas israelenses isolaram a Cidade de Gaza para evitar que as milícias palestinas recebam reforços, o que impede a livre movimentação dentro do território do 1,5 milhão de habitantes.

Aproximadamente 80 tanques, veículos blindados e escavadeiras israelenses tomaram posição no antigo assentamento judaico de Mitzarin, cerca de 3 quilômetros ao sul da capital de Gaza.

A invasão contou com a participação de milhares de tropas de infantaria, engenheiros, artilharia e tanques apoiadas pela Aviação, a Marinha e várias agências de inteligência.

Os soldados israelenses mantiveram várias trocas de fogo com milicianos palestinos desde que entraram em Gaza, principalmente no leste da Cidade de Gaza.

Matéria completa: http://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u486147.shtml

Anúncios