Criado em 1944 pelo Governo do Estado de São Paulo, o Hospital Maternidade Leonor Mendes de Barros (HMLMB) foi inaugurado para prestar atendimento a mulheres carentes, especialmente gestantes e parturientes. Em 1978, o hospital tornou-se próprio da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, governado por José Serra e Gilberto Kassab, mas com verbas do governo Federal

O hospital ganhou o Selo de Qualidade Hospitalar, concedido pela Associação Paulista de Medicina e pelo CREMESP. Também conquistou o prêmio “Maternidade Segura”, que foi entregue ao Hospital em 26/03/2001, em cerimônia que contou com a presença do Governador do Estado, Geraldo Alckmin.

Agora que vocês foram apresentados ao hospital tucano…

Uma bebê prematura foi dada como morta durante o parto, na última sexta-feira (3), e, depois de passar quatro horas sozinha na sala cirúrgica, foi vista se mexendo por uma faxineira que a recolheria com o lixo hospitalar. A família tinha registrado o óbito quando soube que ela estava viva. O parto ocorreu às 18h25, e a criança foi achada pela funcionária às 22h30.

Segundo a mãe da menina, a dona-de-casa Renata Alves de Oliveira, 32, os médicos não acreditaram na primeira vez em que a faxineira alertou sobre a bebê no lixo. Foi preciso que ela os chamasse novamente para que prestassem socorro.

O pai da bebê, o motorista Alexandre Góes, 32, que havia registrado a morte, voltou à polícia. Desta vez para dizer que a filha estava viva. O bebê está em estado gravíssimo.A criança, que recebeu o nome de Giovana Vida Góes.

A Secretaria de Estado da Saúde do Estado de São Paulo não informou o nome do médico e se ele continua a trabalhar nem se manifestou sobre as acusações da família de que um funcionário teria dito que a gestante tinha outros três filhos e por isso não haveria problema se o bebê morresse. . [+] Se esse é o hospital com selo de “maternidade segura”, imagine como deve ser as maternidades inseguras do governador José Serra.

Fonte: Blog Os Amigos do Presidente Lula

Anúncios