Israel rejeitou nesta terça-feira qualquer trégua com o Hamas na Faixa de Gaza até que seja extinta a ameaça de foguetes provenientes dos territórios palestinos e se declarou pronto para combater os militantes islâmicos durante “semanas”.

“Não há lugar para um cessar-fogo”, disse o ministro do Interior israelense, Meir Sheetrit, à Rádio Israel. A ofensiva aérea contra Gaza entrou no quarto dia.

“O governo está determinado a remover a ameaça de fogo (de foguete) no sul”, disse o ministro. “O Exército de Israel não deve suspender a operação antes de acabar com o propósito dos palestinos, do Hamas, de continuar mandando fogo contra Israel”, afirmou.

“Esse é o objetivo e deve ser atingido”, acrescentou.

Mais de 370 mortes – Depois de três dias de bombardeios aéreos israelenses, o saldo é de centenas mortes e um cenário de destruição na Faixa de Gaza. Autoridades de saúde palestinas contabilizavam 375 mortes – 62 das quais de civis. O número de feridos passa de 1.600, de acordo com o chefe dos serviços de emergência em Gaza, Moawiya Abu Hassanein.

Segundo Hassanein, ao menos 10 palestinos morreram e outros 40 ficaram feridos em aproximadamente 40 ataques aéreos israelenses realizados na madrugada desta terça-feira contra a Faixa de Gaza. Seis ambulâncias que tentavam chegar ao prédio do ministério das Relações Exteriores para socorrer vítimas foram atingidas pelo ataque israelense, revelou Hassanein.

Fonte: http://noticias.uol.com.br/

Anúncios