professor_wmfApesar de atuarem em uma rede de ensino considerada valorizada, 34,6% (um em cada três) dos professores das escolas privadas da cidade de São Paulo afirmam que mudariam de profissão se pudessem.

O percentual refere-se ao total do sistema privado, do infantil ao superior. No ensino fundamental, o percentual chega a 44,7% (quase a metade).

O dado está presente em pesquisa feita pelo Sinpro-SP (sindicato dos professores da rede particular da capital paulista), com 379 docentes da rede (cerca de 1% do total). A amostra foi construída para representar estatisticamente todo o sistema particular da cidade.

O trabalho identificou ainda o porquê de os docentes terem interesse em mudar: 59,7% apontaram desejo por aumento salarial e 31,8% para terem menos desgaste emocional.

“Embora a rede privada seja bem avaliada, ela tem uma diversidade grande. Existem escolas boas; outras, não”, afirmou a coordenadora da pesquisa, Maria Sofia de Aragão.

“Há ainda a imagem desgastada e desvalorizada do professor, que vem sendo disseminada há algum tempo e também atinge a rede privada”, disse.

Professora de matemática de um tradicional colégio paulistano, onde a mensalidade do ensino fundamental passa dos R$ 1.000, Ana (nome fictício), 30, afirma que uma característica do sistema privado agrava a situação desses professores.

“A escola não quer perder o cliente. Por isso, é normal a direção entrar no conselho de classe e dizer para passar os alunos de ano, senão eles podem mudar de colégio”, conta. “É desgastante, nosso trabalho fica desrespeitado. E os que discordam são convidados a passar no RH”, relata.

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/

Anúncios