Jatos israelenses bombardearam cerca de 40 túneis no sul da Faixa de Gaza, no segundo dia de intensos ataques aéreos para tentar forçar o Hamas a por um fim ao lançamento de foguetes por militantes palestinos contra alvos em Israel. Segundo as autoridades palestinas e os médicos da região, os ataques já mataram pelo menos 296 pessoas e mais de 700 estão feridas.

Nos limites da Faixa de Gaza, tanques israelenses estão posicionados para adentrar o território, onde vivem 1,5 milhão de palestinos. O governo alertou que poderá iniciar operações militares por terra se os disparos com foguetes por militantes palestinos não cessarem. O gabinete de Israel também aprovou a convocação de 6,5 mil reservistas.

Em entrevista à “BBC”, o ministro da defesa de Israel, Ehud Barak, disse que uma invasão do Exército no território palestino poderia ser iniciada “se o (grupo militante palestino) Hamas não mudar seu comportamento”.

Israel diz que os túneis bombardeados na área próxima à cidade de Rafah eram usados para contrabandear armas ao território palestino. Os palestinos dizem que eles eram usados para trazer suprimentos do Egito.

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) pediu hoje que se permita a entrada de ajuda humanitária à Faixa de Gaza, em particular de equipamentos e material médico para atender aos feridos em decorrência da ofensiva militar de Israel.

Segundo o depoimento de uma das colaboradoras do CICV na zona das hostilidades, “as pessoas em Gaza têm medo de sair à rua, enquanto os hospitais estão lotados e não podem atender à magnitude nem ao tipo de ferimentos que estão se apresentando”.

O CICV lembrou que a grande quantidade de feridos põe sob uma extrema pressão os hospitais, que, antes da ofensiva israelense, tinham problemas para funcionar devido à falta de material e equipamentos médicos. Soma-se a isso que as reservas de remédios já se esgotaram devido às dificuldades dos últimos meses para a entrada desses produtos em território palestino.

Fonte: http://noticias.uol.com.br/