O Encontro Nacional de dirigentes sindicais do Banco do Brasil, organizado pela Contraf/CUT em São Paulo, terminou nesta quarta-feira 10 com a aprovação de cinco mesas temáticas a serem negociadas com o BB: PCCS, saúde, previdência, terceirização e fusões e incorporações. As negociações devem ser concluídas até o início de março do próximo ano.

O encontro, do qual participaram dirigentes sindicais convidados da Nossa Caixa e do Besc, também aprovou a realização do XX Congresso Nacional do Funcionalismo entre os dias 27 e 29 de março, em local ainda a ser definido pela Contraf/CUT. O Congresso avaliará o processo de negociação com o banco e debaterá um projeto para o Banco do Brasil sob a ótica dos trabalhadores.

Simultaneamente às mesas temáticas, prosseguirão as negociações permanentes com o BB sobre condições de trabalho, o que inclui assédio moral, metas abusivas e lateralidade, entre outros temas.

A instituição das mesas temáticas foi uma conquista da campanha salarial deste ano. E a antecipação do Congresso Nacional do funcionalismo foi uma decisão da Conferência Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro, reafirmada pelo congresso do BB – ambos realizados no final de julho deste ano.

“As discussões foram aprofundadas e de alto nível. Avançamos na definição das mesas temáticas, na preparação da campanha permanente e dos embates que teremos no próximo período visando solucionar os graves problemas que o funcionalismo enfrenta, como a falta do PCCS, a prática da lateralidade, as péssimas condições de trabalho, o assédio moral e os adoecimentos cada vez mais freqüentes”, diz Marcel Barros, coordenador nacional da Comissão de Empresa dos Funcionários do BB, órgão ligado à Contraf/CUT.

“A Contraf-CUT está organizando o calendário de luta permanente para todos os bancos e estes encontros com todos os dirigentes sindicais do país serve para qualificar e planejar as ações que serão encaminhadas nos próximos meses. Os bancários terão uma forte agenda de luta no primeiro semestre de 2009”, avalia William Mendes, secretário de imprensa da Contraf-CUT.

Fonte: Contraf/CUT