É a doença que mais mata crianças e adolescentes de 5 a 19 anos no país

A cada hora uma criança morre vítima de alguma espécie de câncer no Brasil, segundo pesquisa divulgada na quinta-feira, 27/11,  pelo Inca (Instituto Nacional do Câncer) nesta quinta-feira, Dia Nacional de Combate ao Câncer.

É a doença que mais mata crianças e adolescentes de 5 a 19 anos no país. Segundo cálculos divulgados hoje, em média, por ano, cerca de 9.890 crianças e adolescentes morrem por câncer.

Apesar de ser a primeira pesquisa do gênero no Brasil, ela mostra que ao longo dos anos uma desaceleração no número de mortes por câncer no país, o que acompanha uma tendência mundial.

Nos últimos 30 anos, as chances de crianças e jovens com câncer diagnosticado se curarem passaram de 15% para 85%, em um movimento exatamente oposto ao das taxas de mortalidade, aponta o estudo.

Feito com dados fornecidos por centros de Registro de Câncer por Base Populacional em 20 cidades brasileiras, o levantamento indica que, entre 2001 e 2005, o câncer infantil foi a segunda causa de morte entre a população de 5 a 19 anos. Ficou atrás apenas das mortes por causas externas, como a acidentes e a violência. Já nas mortes por doenças diagnosticadas nesta faixa etária, o câncer foi a causa mais comum.

No mesmo período, o índice de mortalidade por câncer infantil no Brasil foi de cerca de 40 para cada 1 milhão de crianças e adolescentes, uma incidência que se mantém estável desde a década de 1990, após um período de crescimento, conforme o estudo. Os pesquisadores disseram ainda não saber, contudo, as causas desse aumento.

‘Ninguém sabe se o que aumentou foi o diagnóstico da doença ou a incidência mesmo’, disse a pesquisadora Beatriz de Camargo, uma das autoras do estudo.

As menores taxas de câncer infantil foram registradas nas regiões Norte (36 por um milhão) e Nordeste (35), contra 42 a cada milhão de crianças e jovens no Sudeste, 44 no Sul e 46 no Centro-Oeste. Mas os autores do estudo dizem que as diferenças podem estar ligadas à falta de diagnóstico nas regiões mais pobres, cujas taxas vêm crescendo, em movimento contrário das outras regiões.

‘O Brasil é muito desigual nesse aspecto também. Temos melhores resultados no Sul e no Sudeste’, afirmou o diretor-geral do Inca, Luiz Antonio Santini.

Fonte: Portal 45 Graus

Anúncios