worldairforce021khA Capital cearense sedia as forças opositoras que participam do maior exercício de combate aéreo da América Latina

O céu de Fortaleza, a partir de hoje, ficará bastante movimentado pelo tráfego de aeronaves tipos Xavantes, caças F5 e A1, Super Tucanos, Helicópteros H1H, Hércules abastecedores KC 130, entre outros. Trata-se do maior exercício de combate aéreo combinado da América do Sul, a Operação Cruzeiro do Sul (Cruzex), coordenada pela Força Aérea Brasileira (FAB), que está sendo realizada em vários estados da Região Nordeste, com a participação de dez países e cerca de 2.500 militares no total. A Base Aérea de Fortaleza, que abriga a força inimiga no exercício de guerra, desde o começo da semana, vive a expectativa do início das atividades simuladas, que devem atingir seu ápice amanhã.

“A população de Fortaleza vai ver diversos tipos de aeronaves rápidas, barulhentas, atravessando o céu da cidade”, anuncia o tenente coronel Edmilson Leite Guimarães Filho, do VII Comando Aéreo Regional da FAB, que informa que a partir de hoje o treinamento de guerra vai se intensificar.

Nos corredores da Base, desde ontem, cerca de 300 militares, entre pilotos, operacionais, técnicos da Aeronáutica de diversos Estados do País se preparam para o treinamento, que contará com 18 das 50 aeronaves participantes do treinamento. A presença de aeronaves como os jatos F5, que voam em velocidade supersônica e que já estão estacionadas no hangar do 1º do 5º Grupo de Aviação, atraem a atenção dos próprios militares de áreas de apoio, que investigam detalhes, tiram fotos e acompanham todos os momentos da operação.

Conforme o tenente coronel Leite Guimarães Filho, o Cruzex é um momento importante na medida em que coloca a Força Aérea do País em posição de destaque no mundo por comandar uma operação que treina e ao mesmo tempo avalia o desempenho dos seus quadros, e de outras nações, além de também proporcionar uma rica troca de experiências entre os países participantes.

O objetivo principal, conforme o tenente coronel, é treinar as Forças Aéreas envolvidas no planejamento de operações combinadas com países aliados, assim como treinar militares da FAB para operar nos mesmos moldes utilizados pela Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) em conflitos internacionais.

A quarta edição do Cruzex tem as cidades de Natal e Fortaleza como sede. Conforme o tenente coronel Leite, em Natal, estão organizadas e reunidas as Forças Aliadas, envolvendo militares do Brasil e de outros países. Já em Fortaleza, as forças opositoras, formadas somente pelos profissionais brasileiros, organizam suas estratégias. “A vantagem é que o Brasil participa do treinamento em ambas as situações“, diz.

Fonte: Diário do Nordeste