breast-cancerExercícios contra o câncer – Duas pesquisas publicadas em revistas médicas nesta semana apontam formas simples e fáceis para que as mulheres possam reduzir o risco de contrair o câncer de mama.

Na primeira pesquisa, feita no Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos e publicada na revista Breast Cancer Research, os cientistas demonstraram que atividades regulares como corrida, ginástica aeróbica ou mesmo trabalho doméstico pesado estão associadas a uma redução de 30% do risco de desenvolvimento da doença.

Magras pós-menopausa – A atividade física pesada não parece ter efeito sobre mulheres com obesidade ou acima do seu peso normal. E os melhores resultados foram verificados entre as mulheres que já passaram pela menopausa.

“Neste grupo de mulheres que passaram pela menopausa, a redução do risco de câncer de mama parece estar limitada a formas mais vigorosas de atividade física”, afirmou Michael Leitzmann, coordenador da pesquisa. “Nossas descobertas sugerem que a atividade física age como apoio a mecanismos biológicos que são independentes do controle de peso do corpo.”

Atividades físicas pesadas – Os pesquisadores consideraram como exercício físicos vigorosos as tarefas domésticas pesadas como esfregar o chão, lavar janelas, cavar no jardim ou cortar madeira. Entre as atividades esportivas, as mais vigorosas foram corrida, caminhada rápida, tênis competitivo, aeróbica, bicicleta ao ar livre e dança rápida.

As atividades consideradas mais leves incluem passar aspirador de pó, lavar roupas, pintura e jardinagem geral. Entre os esportes estavam caminhada, tênis recreativo e boliche.

Inicialmente, os números indicaram uma redução do risco de câncer de mama muito pequena associada a atividades físicas. Mas, quando os pesquisadores analisaram os números apenas em mulheres com peso normal, a associação foi bem mais forte.

Sono contra o câncer – Na segunda pesquisa, realizada na Universidade de Tohoku, no Japão, e publicado na revista científica British Journal of Cancer, os cientistas descobriram que as mulheres que dormem regularmente seis horas ou menos por noite podem estar aumentando o risco de ter câncer de mama em mais de 60% em relação às mulheres com sono normal.

Depois de analisar os hábitos de quase 24 mil mulheres, com idades entre 40 e 79 anos, durante oito anos, os cientistas descobriram que aquelas que dormiam regularmente seis horas ou menos por noite tinham 62% mais chances de apresentar o câncer de mama, quando comparadas com as mulheres que dormiam regularmente sete horas.

Mostrando que o sono pode ser ainda mais importante, os pesquisadores verificaram que as mulheres que dormiam nove horas em média por noite tinham 28% menos chances de contrair o câncer de mama.

Fonte: http://www.diariodasaude.com.br/