bbA fusão entre o Itaú e o Unibanco deve levar o BANCO DO BRASIL (BB) a assumir uma postura mais agressiva e acelerar a compra da Nossa Caixa, Banco de Brasília (BRB) e Banco do Estado do Piauí (BEP).

Outras oportunidades de negócios também estão sendo analisadas pelo BB, segundo fontes da área econômica. A perda da liderança do BB no mercado, no ano em que a instituição comemora 200 anos, causou desconforto no banco e no Ministério da Fazenda.Para setores do governo, a liderança do banco é considerada estratégica. Ontem, ao comentar o negócio entre os dois grandes bancos privados, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, deu a senha do jogo. “O BB momentaneamente perde a liderança. Mas a vida é assim. Nada como um dia depois do outro”. Segundo o ministro, o BB terá chance de “correr atrás e se refazer”. “Garanto que ele vai continuar crescendo”, assegurou Mantega.

A estratégia do Ministério da Fazenda agora é garantir a aprovação o mais rápido possível e sem grandes modificações da Medida Provisória (MP) 443 que permite ao BB e à Caixa Econômica Federal comprarem outros bancos. Para o governo, ganhou força a necessidade de aprovação urgente da MP. O relator da MP na Câmara dos Deputados, João Paulo Cunha (PT-SP) foi chamado ontem para reuniões no Ministério da Fazenda.

“Caberá ao Congresso decidir se o BB vai ser um espectador nesse novo cenário ou um grande player”, disse uma fonte. O governo não quer que o BB, na posição de líder, perca a sua função de “balizador” do mercado e fique fora dessa “onda” que movimenta hoje o sistema financeiro brasileiro e internacional. Por isso, na visão da área econômica, o BB precisa ter condições de igualdade de competição nesse cenário de movimentação de fusões e aquisições. Uma exigência de licitação, como defendem alguns parlamentares, colocaria o BB “fora do jogo”.

A perda de liderança do BB jogou um balde de água fria nas comemoração dos 200 anos. Os três centros culturais do banco (Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo) organizaram uma vasta programação especial para comemorar a data, que se estende até janeiro do ano que vem. Mesmo com a fusão do Unibanco e Itaú, a expectativa é que o BB termine o ano do seu aniversário ainda na posição de liderança. Isso porque as mudanças legais da fusão não devem estar concluídas até o final do ano. 

Fonte: http://ultimosegundo.ig.com.br/